A dor é estranha - Parte 6

A dor é estranha - Parte 6

É hora das boas notícias.

“Como convencemos as pessoas com dor que entendemos que elas estão sofrendo, mas não é apenas sobre os tecidos de seu corpo? Uma mudança conceitual chave que nós pensamos seja realmente importante é você compreender que a dor é o resultado final, a dor é uma saída do cérebro, projetada para protegê-lo… não é algo que vem de seus tecidos.”

~ Why Things Hurt, por Lorimer Moseley

A ciência diz que a confiança cura

Uma das cinco principais perguntas que mais me fazem, sobre qualquer condição, é simplesmente se há esperança. A resposta é quase sempre a mesma: Sim, há esperança. Nunca há uma garantia, mas há sempre esperança, e a recuperação da maioria dos tipos de dor crônica grave não é apenas possível, mas bastante comum. A menos que você tenha um sério fator agravante conhecido-um grande trauma, por exemplo-há raramente qualquer razão para temer que a recuperação de qualquer problema de dor crônica seja impossível. Pela mesma razão que a dor pode ser absurdamente persistente e fora de proporção a qualquer causa clara-por estar tão sintonizada no cérebro – também ela nunca perde o potencial para finalmente mudar e se evaporar.

Por exemplo, apenas uma mudança na confiança pode fazer uma grande diferença.

Muitas evidências indiretas sobre isso tem surgido ao longo do tempo, mas um dos primeiros testes científicos diretos realmente bons foi publicado em 2013 por Vibe-Fersum et al.1

Uma dor nas costas “incapacitante” pode mudar para melhor com uma narrativa diferente e estratégias para lidar com a dor também diferentes.

Terapia funcional cognitiva (CB-CFT, ou apenas CFT) para a dor lombar é uma abordagem “corpo/mente” para a compreensão e gestão deste problema complexo” que “miranas crenças, nos medos e nos comportamentos associados” de pacientes (o que eu tenho chamado “cura da confiança” por muitos anos).Agrande idéia do CFT é que o ciclo da dor e incapacidade física pode ser quebrado aliviando medos e ansiedades do paciente, especificamente “enquadrando a compreensão das pessoas de sua dor nas costas centrando-se na pessoa, com ênfase na mudança do movimento mal-adaptativo, edos comportamentos cognitivos e de estilo de vida que contribuem para o ciclo vicioso de dor”. Tradução: praticamente qualquer estratégia que restaurar a confiança serve.

A CFT foi testada em 62 pacientes com dor nas costas moderada, e comparada com outros 59 que foram tratados com terapia manual e exercício. Três meses e um ano depois, o grupo CFT estava muito melhor.2 CFT foi “mais eficaz na redução da dor, incapacidade física, crenças medrosas, humor e licença médica de longo prazo em seguimento do que a terapia manual e exercício.” Como os autores colocam em BodyInMind.org, “A dor nas costas incapacitante pode mudar para melhor com uma narrativa diferente e estratégias para lidar com a dor também diferentes.”

Houve alguns problemas com os métodos de pesquisa, mas nada terrível; os resultados podem ser considerados com bastante segurança enquanto aguardamos uma replica a cargo de estudos maiores.

Apenas aprender sobre isso pode ser terapêutico, mas de que outra forma você pode aplicar esta boa notícia? De que outra forma você pode usar a CFT para conseguir que seu cérebro degrade a sua dor?

“Embora o problema seja superficialmente de ordem física, auto-aplicar os verdadeiros desafios enfrentados por alguém com dor crônica é trabalho mental. O estado mental é o maior modulador de dor física. As coisas doem mais quando você está estressado ou triste, e a dor aumentada faz você ficar mais estressado e triste. A saída deste círculo vicioso é uma mudança geral em como você percebe o medo, o sofrimento e os retrocessos (na busca da recuperação).”

Veja outros posts relacionados...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *