A dor é estranha - Parte 7

A dor é estranha - Parte 7

Truques de dor Jedi! Quais são as aplicações práticas deste conhecimento?

A dor crônica não é tudo sobre o corpo, e não é tudo sobre o cérebro – ela é tudo. Mire em tudo. Tome a sua vida de volta.

~ Pain & the Brain lecture, por Dr. Sean Mackey
A dor é “outra *% $ @!! oportunidade de crescimento “— outra provocação para amadurecer como pessoa, e particularmente intensa. Para muitas pessoas com dor grave e crônica, aprender habilidades de confrontar a dor é uma necessidade. O crescimento pessoal é provavelmente uma oportunidade muito maior do que apenas lidar com a dor. Podemos não controlar nossos cérebros, mas temos, sim, considerável influência indireta. Não podemos micro-gerenciar todas as sensações, mas podemos mexer nelas em grande escala. Mudamos o contexto e redirecionamos nossa experiência de vida. Por exemplo…

Huff, Puff, e sopre sua dor para baixo. Podemos alterar a nossa fisiologia com respiração profunda, vigorosa, criando instantaneamente novos sentimentos-e seu cérebro irá junto nesse passeio, e talvez reinterprete a sua experiência de dor.

Crie novos contextos sociais fazendo algo tão simples como jogar um esporte coletivo onde outras pessoas contam com você, as conseqüências dolorosas do exercício intenso são geralmente recontextualizadas como toleráveis, e até mesmo desejáveis, e você pode aguentar ainda muito mais. Você não pode atingir esse tipo de tolerância à dor apenas pensando, mas você pode se colocar em uma situação em que aquilo seja um resultado provável. É por isso que Haven —uma escola de aconselhamento a que muitas pessoas comparecem apenas para aprender mais sobre si mesmos – usa workshops “experienciais” fazendo as pessoas atravessarem um monte de experiências interessantes e intensas, juntas. Eles mexem com seu contexto social, porque os seres humanos estão tão interessados um no outro que nossas experiências sociais dominam totalmente nossa consciência. Mude sua experiência social, mude seu cérebro!

Reduzir o medo e a ansiedade, aumenta a confiança, especialmente com a educação. Medo e ansiedade provavelmente têm mais poder para agravar a dor do que qualquer outro estado emocional, e adquirir conhecimento e perspectiva são tratamentos soberbos. Um cérebro confiante e feliz amplifica menos os sinais de perigo que um cérebro miserável e ansioso. Isto explica muitos resultados interessantes na pesquisa da dor (para não mencionar observações clínicas), como os resultados da terapia cognitiva funcional mencionados na última seção, e o fato de que o fator mais poderoso para prever o retorno ao trabalho após um episódio de licença médica por causa de dor nas costas é se eles esperam ou não voltar ao trabalho,1 e o fato de que a educação por sí só, provavelmente ajuda a resolver a dor no pescoço.2 3 Por isso não deixe os profissionais de saúde fragilizá-lo com qualquer medo.4 Procure o máximo de informações que puder encontrar, porque nada causa mais ansiedade do que a incerteza. Estas são verdadeiras defesas contra a dor.

A intervenção precoce é fundamental para evitar que a dor aguda se transforme em dor crônica.5 É claro que a dor crônica envolve mudanças neurológicas significativas, tanto nos nervos como na dor que é processada no cérebro. Uma vez que essas mudanças ocorrem, a recuperação é muito mais difícil, a um custo incrível em termos de sofrimento e despesas médicas. Dor persistente não deve ser ignorada. Lide com isso mais cedo, não mais tarde.

“As células cerebrais que produzem dor ficam melhores e melhores na produção de dor. Tornam-se cada vez mais sensíveis…”

~ Why Things Hurt, por Lorimer Moseley
Rejeite firmemente a idéia de odiar que sua dor é “apenas” psicológica ou meramente psicossomática. Paradoxalmente, apesar da dor ser fortemente regulada pelo seu Sistema Nervoso Central, certamente nem “tudo está na sua cabeça”. A idéia sempre foi desrespeitosa aos pacientes com dor, mas agora também é cientificamente obsoleta e pode ser jogada fora com o lixo de ontem. Qualquer profissional de saúde falando assim deve ser ignorado. Nós sabemos coisa melhor por estes dias: a dor não tem que ser conduzida por danos facilmente diagnosticados se baseando em que a ferida do tecido é “real” e grave. Ela pode ter grandes dimensões psicológicas, sem ser apenas psicológica.

Seja gentil com seu sistema nervoso. Crie experiências sensoriais agradáveis e seguras — inputs positivos. Procure conforto. Seja um hedonista. Se o seu cérebro pensa que você está seguro, a dor vai para baixo-e o prazer faz se sentir seguro. Então seja “bom” para o seu Sistema Nervoso Central em todos os sentidos possíveis. Faça a sua vida — ou uma junta — se sentir mais segura, mais gentil, mais prazerosa. Faça-o de forma geral (mergulhe todo o sistema em uma banheira de hidromassagem), mas também mais especificamente: acaricie agradavelmente um joelho dolorido, dê a um ombro gritante o “conforto” de um apoio por um tempo, ou cautelosamente, mas cuidadosamente mexa numa junta conturbada para demonstrar ao seu cérebro que está OK. (Vês isso, cérebro? Nós podemos fazer isso! Não é grande coisa!) Lorimer novamente…

Para reduzir a dor, precisamos reduzir evidências credíveis de perigo e aumentar evidências credíveis de segurança.

~ Explainer: what is pain and what is happening when we feel it?, por Lorimer Moseley. TheConversation.com.
Mude alguma coisa – quase qualquer coisa! –relacionada a como uma área dolorosa sesente. Faça-a se sentir diferente até onde for possível. A sensação é um dos fatores que o cérebro usa para definir os níveis de dor. Se você pode fazer uma parte do corpo se sentir significativamente diferente em qualquer forma, isto pode ajudar (mas especialmente se você pode fazê-la sentir-se segura, protegida, estabilizada). De fato, isso provavelmente explica por que muitos tratamentos para problemas de dor são populares e parecem ajudar às vezes, apesar de serem pouco confiávéis e geralmente menos científicos.6 Exemplos clássicos: gravações, órteses, cintas, talas, vibração, calor, gelo. Independentemente de como eles supostamente funcionam-há muitas explicações muito complexas-a maioria destes métodos apenas mudam como uma parte do corpo se sente.7 O benefício da nova entrada sensorial não é provavelmente muito mais profundo do que ser distraído por um ruído alto… mas podemos agregá-los a nossa caixa de ferramentas, com expectativas razoáveis. Use qualquer método barato, conveniente, criativo-há poucas razões para não fazê-lo.

Não podemos confiar nos nossos olhos (ou na nossa dor)

Professor japonês faz incríveis ilusões de ótica em 3D – 1:26

A dor é muito parecida com essas ilusões surpreendentes, isto é, é embrulhada por nossas expectativas e pontos de vista. Ao contrário destes modelos inteligentes, no entanto, não podemos manipular as coisas para ver o que realmente está acontecendo. E tentar ver através da ilusão, para acreditar que não há nada de muito errado com nossos tecidos (algo muitas vezes verdadeiro), é ainda mais difícil. Mas é esse o desafio de toda recuperação: tentar mudar nossas expectativas e pontos de vista com novas sensações e movimentos interessantes.

Corrija o que é corrigível em sua vida — e seja honesto quanto ao que é corrigível. A maioria das pessoas não estão tão atoladas quanto pensam que estão. Muitos problemas realmente não são corrigíveis, certamente, mas alguns dos seus piores e mais velhos problemas provavelmente o são- nós tendemos a ser os nossos próprios piores inimigos. E esses problemas são geralmente a fonte da maior parte do nosso estresse, ansiedade e depressão, o que significa que eles também têm um impacto direto sobre o quanto sofremos com a dor. Há muitos exemplos de problemas difíceis que podem ser corrigidos com trabalho árduo e talvez alguns pulos de fé: casamentos ruins e amizades tóxicas, maus empregos e maus patrões, uma casa ou cidade cujo clima você detesta, a pobreza, o vício, a insônia e muitos mais. Finalmente, tomar medidas para corrigir esses problemas é a rota mais direta para aliviar as interpretações do cérebro em relação a dor.

Movimento positivo — Uma das grandes idéias na psicologia evolutiva é que nossas mentes têm muitas habilidades específicas, ao invés de uma inteligência polivalente. Se a parte do cérebro responsável pela dor- o “módulo” dor -não é facilmente influenciada pelo módulo “pensamento”, existem outros módulos que podem ter mais influência? Todd Hargrove: “os módulos de “movimento” seriam os primeiros na minha lista.”8 “Movimento positivo” pode ser mais potente do que “pensamento positivo”. E o que é movimento positivo? Mover-se da maneira mais confortável possível é: construir a sua confiança com qualquer movimento com o qual você possa lidar razoavelmente. Mover-se de maneiras que sejam tão agradáveis, divertidas e/ou inspiradoras quanto possível. A dor limita os movimentos -assim que empurre contra àqueles limites delicadamente, criativamente, como que brincando…

Não dramatize a sua dor. Este aqui precisa de uma seção inteira…

Não seja uma rainha do drama da dor!

“Sinto-me como se uma espada irregular, flamejante e envenenada rasgasse o meu corpo repetidamente.”

As pessoas realmente falam assim, quando estão sofrendo. (O meu pai fala assim. E eu tenho o impulso, talvez genético, de falar assim.)

Mas cuidado com descrições coloridas e extremas de sua dor. Elas são tentadoras. Há muitas razões para exagerar a dor. Por exemplo, a dor é uma experiência tão privada-tão frequentemente minimizada ou até mesmo negada por profissionais de saúde-que os pacientes são muitas vezes tentados a dramatizar a dor para fazê-la parecer mais real. Mas é uma armadilha! Antes que você saiba, você vai acreditar na sua própria história. Quando você exagerar e dramatizar a sua dor, você exacerba diretamente o extremo neurológico do problema da dor crônica. A capacidade para superar tempestades emocionais-sendo imperturbável em primeiro lugar, ou recuperando-se de maneira relativamente rápida -provavelmente afeta os níveis de dor.9

A escala de dor é o substituto imperfeito para espadas flamejantes, envenenadas. Se você tem dor crônica, você provavelmente foi convidado muitas vezes a classificar a sua dor, e, provavelmente, em uma escala de 1 a 10, e talvez com uma ajuda visual como esta:

Um típico gráfico de escala de dor no escritório de um médico.

Por um lado, a escala da dor é uma ferramenta clínica e de pesquisa essencial, com valor provado-é a maneira principal para medirmos o efeito das terapias, para ver se elasfuncionam realmente. Por outro lado, as oportunidades para abusar da escala de dor são imensas, e a escala da dor é uma fonte de perpétua confusão nas clínicas de saúde. Parece tão fácil: basta classificar a sua dor! Mas as pessoas ficam muitas vezes perplexas com a questão, ou pensam demais no assunto, ou exageram descontroladamente.

Muitas vezes eu vi discussões sobre a escala de dor mergulhar em filosofia. É o 10 o número reservado para a pior dor que você já experimentou, ou a pior dor que pode imaginar? “Eu não sei, eu posso imaginar um pouco.” Será que podemos realmente saber como é a dor de outra pessoa? Se a dor flutuar, ficamos na média? Para a dor realmente horrível devemos sair da escala? Ou recalibrá-la?

O problema é que as pessoas gostam de sair da escala. Fazer drama é divertido. Hipérbole é divertido.

“Definitivamente um 15. Tendo um bebê, caramba. Aquilo foi como um 19 com picos de 38!”

A ironia é que a escala de dor supostamente existe para ajudar você a pensar de forma mais objetiva e racional sobre a sua dor, mas muitas vezes ela apenas cria outra oportunidade para o melodrama. Então use a escala de dor, mas use-a sabiamente. Use-a como uma ferramenta para ter uma noção um pouco mais real sobre sua dor.

Falando em hipérbole, esse negócio de escala de dor foi ridicularizado por Allie Brosh, do brilhante e rabiscado blog Hyperbole and a Half. Olhe para o nº 8 no gráfico da escala de dor acima. Isso parece um nº 8? De acordo com Brosh, nº 8 parece estar pensando: “O sorvete que eu comprei mal tem pedaços de biscoito nele. Isso não é o que eu esperava e estou desapontado.”Então ela fez o que queria. Aqui está a sua opinião sobre nº 8:

“Estou sentindo uma quantidade perturbadora de dor. Eu posso estar realmente morrendo. Por favor ajude.”

Agora é assim! Nenhuma ambiguidade lá! A escala de dor de Brosh é tão engraçada que você vai borrifar o leite pelo nariz. (Supondo que você beba um pouco de leite primeiro.) Leia a coisa toda. Mas pegue a piada!

Veja outros posts relacionados...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *