A inflamação crônica é um assassino silencioso

A inflamação crônica é um assassino silencioso

A inflamação é um recurso do corpo para combater infecções, ferimentos e toxinas, via sistema imunológico. Se a inflamação for aguda, isso dura algumas horas ou dias. A inflamação crônica ocorre quando essa resposta permanece, deixando seu corpo em constante estado de alerta. Com o tempo, tecidos e órgãos são danificados. Passar da inflamação aguda para a crônica depende de tempo, mas também do grau de abuso. As Festas de Fim de Ano, independentemente da justificativa, oferecem uma oportunidade para isso, para abusar. Este artigo é apenas para quem quer tomar as devidas precauções. Ele fala de coisas que você já sabe, e de outras que talvez ignore, mas que você raramente leva em conta na hora da tentação.

Autor: Craig Cooper

Passe um fim de semana “fazendo trilha” e você poderá experimentar alguma inflamação aguda nos tendões em pernas e pulsos. Um pouco de descanso, gelo e algum ibuprofeno pode resolver isso rapidamente.

A inflamação crônica sistêmica, no entanto, é uma história diferente. Esse é o tipo de inflamação que estamos descobrindo cada vez mais estar intimamente envolvida ou mesmo na raiz de muitas de nossas doenças mais desafiadoras e graves, como a doença de Alzheimer e outras demências, câncer, depressão, doença cardíaca, obesidade e acidente vascular cerebral.

Como pode algo aparentemente tão simples como uma inflamação estar por trás dessas mudanças na vida, mesmo doenças mortais? Afinal, a inflamação é a resposta natural do corpo ao ataque. Defende o corpo contra invasores, como vírus e bactérias, ajuda a se livrar de detritos e auxilia na reparação do tecido danificado. Todas estas são características positivas.

Parte da resposta está nas diferenças entre o que comumente consideramos inflamação – um tornozelo inchado, produto de uma torção em uma trilha, por exemplo – e a inflamação crônica, um processo que demora meses e que pode afetar todo o corpo. Aqui vou contar a história disso e, mais importante, o que você pode fazer sobre isso, para se manter saudável e ir avante com a sua vida. 

Dor Aguda x Dor Crônica – qual a diferença?

A maioria de nós está familiarizada com os sinais externos que acompanham uma lesão aguda: inchaço, vermelhidão e calor. Internamente, no entanto, há muitos elementos envolvidos em um processo complexo. Por exemplo, há um aumento no fluxo sanguíneo indo para a área lesionada, juntamente com uma “invasão” de plaquetas, mastócitos, células endoteliais e outras que se juntam para chamar vários leucócitos (células sanguíneas brancas). Esses agentes trabalham para desencadear uma série de atividades, incluindo a liberação de produtos químicos chamados citocinas, resultando em inflamação. Dentro de alguns dias ou semanas, o processo de cura se encerra, com ou sem a ajuda de medicação, gelo e/ou calor, e com um pouco de descanso (dependendo da natureza da lesão).

A inflamação crônica é outra questão. É como um trem desgovernado, abastecido por citocinas que são continuamente derramadas na circulação do corpo causando inflamação dos tecidos. O sistema imunológico quer deter o dano celular e tecidual e a progressão do distúrbio.

Pisar naqueles freios, no entanto, torna-se cada vez mais difícil com o tempo, porque o corpo fica cansado. As células enviadas pelo sistema imunológico para consertar o dano não conseguem acompanhar as demandas. Além disso, o processo de envelhecimento adiciona mais combustível ao trem desgovernado porque com a idade as células se tornam menos eficientes em reparar qualquer lesão, e mais propensas a enviar produtos quimicos pró-inflamatórios.

Portanto, com o andar da carruagem, pode haver um acúmulo de vasos sanguíneos danificados, acúmulo de gordura (desencadeada pela secreção de adipocinas, hormônios que causam o armazenamento de gordura), placa nas artérias e no cérebro, excesso de peso corporal e outras lesões, todas associadas a inflamação.

Consequências da inflamação crônica

A inflamação crônica de baixo nível é como um vilão insidioso, correndo solto por todo o corpo ainda que muitas vezes sem causar nenhum sintoma até que as coisas fiquem sérias. De fato, não tratada, a inflamação crônica pode resultar em uma ampla gama de sérios problemas de saúde.

  • Câncer (por exemplo, colo-retal, pulmão, linfoma, ovário, pâncreas, próstata)
  • Doença cardíaca e acidente vascular cerebral
  • Doença de Alzheimer e comprometimento cognitivo
  • Nefrite e doença renal crônica
  • Doença respiratória crônica
  • Distúrbios da próstata, como aumento da próstata e prostatite
  • Osteoporose
  • Degeneração macular relacionada à idade
  • Depressão
  • Artrite reumatoide
  • Doença inflamatória intestinal
  • Pancreatite
  • Diabetes
  • Asma


Há também uma série de distúrbios e doenças relacionadas à inflamação que levam o sufixo “… ites” – que significa “uma doença caracterizada por inflamação.” Eu tive três delas quando jovem – pericardite (inflamação do coração), osteomielite (inflamação óssea), e encefalite (inflamação do cérebro). Um coquetel triplo entre as idades de nove e dezoito anos. Mas me concentrei em viver um estilo de vida de prevenção e aprendi a gerenciar a inflamação.

Causas da inflamação crônica

Uma variedade de fatores pode causar inflamação crônica, sobre alguns dos quais você não tem controle, mas outros definitivamente você pode controlar.

Você está envelhecendo. À medida que envelhecemos, o corpo é menos capaz de combater a inflamação, mas isso não significa você não pode reduzir o impacto do envelhecimento com mudanças no estilo de vida.

Você tem genes ruins. Embora você não possa mudar seus genes, você pode assumir o controle implementando mudanças de estilo de vida, que é o que eu fiz – eu pareço ter uma predisposição genética para vírus inflamatórios como mencionado acima.

Você não come direito. Esta é provavelmente a principal causa evitável de inflamação crônica.

Alimentos que contribuem e apoiam a inflamação crônica incluem o seguinte:

  • Alimentos ricos em açúcar
  • Alimentos ricos em gordura saturada (por exemplo, alimentos de origem animal, como carnes, aves e laticínios)
  • Alimentos refinados / processados
  • Alimentos contendo gorduras trans (por exemplo, aqueles com óleo hidrogenado parcialmente hidrogenado, margarina no rótulo)
  • Ácidos graxos ômega-6, encontrados na maioria dos óleos vegetais e sementes
  • O glúten, que é encontrado no trigo, cevada, centeio, espelta e triticale e kamut, pode ser um problema para pessoas suscetíveis ao glutamato monossódico (MSG), um aditivo alimentar. Leia os rótulos com cuidado.
  • Álcool, embora alguns copos de vinho por semana (de acordo com a dieta mediterrânea) possam ser bem-vindos
  • A caseína em laticínios pode ser uma causa de inflamação em indivíduos suscetíveis.


Você não se exercita corretamente. Tem sido demonstrado que muita ou pouca atividade física pode promover a inflamação. Basicamente, um estilo de vida sedentário, bem como um estilo que inclui muitos exercícios vigorosos e estressantes, pode promover inflamação. Moderação é a chave. Evite ser um guerreiro de fim de semana e uma batata de sofá durante a semana. Construção aeróbica e de força regular, atividades realizadas pelo menos cinco dias por semana em um nível moderado podem apoiar um sistema imunológico e ajudar a manter a inflamação sob controle.

Você está exposto a toxinas. Exposição a substâncias químicas no ar, na água, no solo e em geral o ambiente pode ter um impacto negativo no sistema imunológico e promover a inflamação. Isto é especialmente verdadeiro se você trabalha em um local hermeticamente fechado e sem recirculação do ar. Alguns dos ofensores incluem colas, adesivos, plásticos, purificadores de ar, produtos de limpeza, fibras sintéticas, poluição do ar, pesticidas e metais pesados.

Seu nível de estresse é alto. Altos níveis de estresse ou estresse crônico significa que o corpo está continuamente exposto ao hormônio do estresse cortisol. Este hormônio tem um efeito direto sobre o metabolismo, níveis de insulina, sistema imunológico e inflamação crônica.

Você fuma. Fumar cigarros expõe você a promotores de inflamação, especialmente citocinas pró-inflamatórias, além de reduzir fatores que ajudam a reduzir a inflamação. Fumar também aumenta o risco de doença periodontal, que é um fator de risco para inflamação.

Seu nível de hormônios sexuais é baixo. Os hormônios sexuais têm um papel na modulação do seu sistema imunológico e resposta inflamatória. É importante ter seus níveis de testosterona marcados para ver se você pode precisar tomar medidas para aumentar seus níveis de T gratuitos.

Você sofre de doença periodontal. Se você sofre de doença periodontal, o que envolve inflamação considerável, pode afetar vários outros sistemas corporais, incluindo o coração e rins. Portanto, é uma boa ideia consultar o seu dentista se suspeitar que pode ter grandes problemas dentários, demonstrados por sangramento da gengiva ou inchaço, dor gengival, e/ou dentes soltos.

Você tem problemas de sono. Quando os padrões de sono são interrompidos, fatores pró-inflamatórios como o fator de necrose tumoral-alfa e a interleucina-6 podem se tornar elevados.

Testando a inflamacão

Dois exames de sangue que são baratos e bons marcadores de inflamação crônica sistêmica são o teste de alta sensibilidade da proteína C reativa (PCR) e o de fibrinogênio. O teste CRP pode revelar inflamação no nível microvascular. Os valores ótimos do teste de PCR para homens são menores que 0,55 mg/L, embora homens com valor inferior a 1,0 mg/L sejam considerados de baixo risco para doença. Para o teste de fibrinogênio, a faixa ótima é de 200 a 300 mg / dL.

Geralmente, os médicos tendem a verificar a PCR somente para indivíduos com alto risco de doença cardíaca ou quem já foi diagnosticado com uma condição inflamatória. No entanto, é muito possível ter inflamação de baixo grau com citocinas elevadas que permanece indetectável por algum tempo; isto é, até que tenha sido feito dano celular suficiente para resultar em sintomas da doença.

Existem vários outros exames de sangue para inflamação sistêmica crônica que medem os níveis de citocinas específicas que são responsáveis ​​pela inflamação. Estes testes são mais caros que os PCR e fibrinogênio.

Os testes e seus valores ideais são os seguintes:

  • Fator de necrose tumoral alfa, menos de 1 picograma por mililitro (pg / mL)
  • Interleucina-1 beta, menor que 15,0 pg / mL
  • Interleucina-6, 2-29 pg / mL
  • Interleucina-8, menor que 32,0 pg / mL 

Sinais de um trem de inflamação descontrolado

Aqui estão alguns dos sinais de inflamação crônica, seguidos pelo que você pode fazer sobre o seu trem desgovernado antes de se provocar um desastre.

Gordura abdominal. Se você ganhou algum peso extra – 5 ou mais quilos de gordura – provavelmente você está alimentando a inflamação. Células de gordura e gordura na barriga, em particular, fabricam e enviam muitas citocinas pró-inflamatórias.

Problemas intestinais. Experimentando problemas gastrointestinais? Sintomas como azia, refluxo, gases e arroto são indicações de um intestino que está inflamado.

Problemas de próstata. A inflamação pode causar problemas de próstata, como BPH e prostatite. Fora isso, sentir-se cansado, irritado e não tão mentalmente afiado como antes costumava ser… estes são todos sinais de intestino inflamado.

Sono insuficiente. Você precisa de um sono suficiente (7-8 horas por noite) para o seu corpo se autoreparar. Se você está tendo menos de 6 horas por noite em uma base regular, você não está permitindo a restauração crítica ocorrer.

Problemas de exercício. Não importa o quanto você malhe na academia ou com outras formas de exercício, você simplesmente não consegue obter os resultados desejados. Na verdade, você está cansado. É possível que você tenha tentando muito e isso está realmente alimentando uma inflamação sistêmica. Você pode mudar seu rotina de exercícios para treinamento intervalado de curta duração, que pode combater a inflamação.

Stress matinal. Se você acordar ansioso e tenso, você não estará preparado para lidar com os estressores do seu dia-a-dia. Isso significa que seu sistema imunológico estará trabalhando horas extras, resultando em inflamação sistêmica. 

Freando o trem de inflamação

Felizmente, as escolhas de estilo de vida que você faz podem diminuir significativamente ou até parar o trem de inflamação. Entre os vários fatores que podem alimentar a inflamação crônica, a modificação mais importante que você pode fazer diz respeito à sua dieta. Siga um maneira de comer anti-inflamatória e você poderá vencer ou gerenciar melhor a inflamação crônica e os sérios problemas de saúde associados a ela. Veja como:

Corte o glúten. Um número crescente de pessoas está descobrindo que elas são sensíveis ou intolerantes ao glúten. Esta proteína, encontrada no trigo e em vários outros grãos comuns, pode causar que a parede intestinal se torne irritada e porosa. Isso cria uma situação comumente conhecida como intestino gotejante em que as substâncias vazam para fora do trato intestinal e contaminam a corrente sanguínea e o sistema linfático, resultando eventualmente em inflamação sistêmica. A solução?

Para saber se você é sensível ao glúten elimine-o de sua dieta por várias semanas, e depois introduza um item de comida de glúten de volta para ver como você reage. Se você tiver sintomas como problemas gastrointestinais, ansiedade, fadiga, reações de pele e dor de cabeça, então você provavelmente é hipersensível ao glúten.

Vá para o Mediterrâneo. A maneira mediterrânea de comer tem se mostrado eficaz na prevenção de doenças cardiovasculares, doença de Alzheimer e declínio cognitivo, e câncer, e desempenha um papel significativo na obesidade e na depressão.

O que significa ir para o Mediterrâneo?

  • Baseie suas refeições em frutas e legumes frescos, grãos integrais, legumes, azeite, feijão, nozes, sementes, ervas e especiarias. Alguns alimentos específicos nessas categorias considerados como anti-inflamatório incluem folhas verdes escuras, nozes, pimentas, tomate, beterraba, gengibre, açafrão, alho, cebola, azeite, frutas vermelhas. Nota: Pimentas e tomates são vegetais de beladona e podem causar inflamação/dor nas articulações em algumas pessoas.
  • Desfrute de peixes gordurosos com ômega-3 pelo menos três vezes por semana (coma os peixes menores como sardinhas em vez de peixes grandes como o atum que estão sendo exauridos de nossos oceanos)
  • Inclua alguns produtos lácteos orgânicos em quantidades moderadas 2-3 vezes por semana.
  • Evite ovos se você pode, mas se você tem que comê-los – consuma apenas 1 ou 2 por semana.
  • Coma carne vermelha/ou frango somente uma vez ou no máximo duas vezes por semana. E certifique-se de que os animais são sempre alimentados com capim e sem hormônios.
  • Desfrute de refeições com a família e amigos sempre que possível, pois isso pode reduzir o estresse e melhorar a digestão.
  • Apimente tudo. Embora eu já tenha mencionado o uso de ervas e especiarias como parte da Dieta Mediterrânea, vale a pena enfatizar isso aqui. Ervas anti-inflamatórias e especiarias tais como açafrão, gengibre, cravo, curry, canela, sálvia e manjerona, entre outros, devem ser parte da sua dieta diária e de todas as refeições sempre que possível.
  • Vá devagar com drogas anti-inflamatórias. O uso muito ocasional de medicamentos anti-inflamatórios como aspirina e ibuprofeno (um “AINE”) pode ser bom, mas o uso excessivo pode danificar o revestimento do trato gastrointestinal e levar à inflamação crônica, bem como ter graves efeitos. Tente evitá-los completamente, pois a maioria deles faz mais mal do que bem.
  • Gerencie o estresse. A produção de hormônios do estresse, como o cortisol, promove a inflamação. Pratique atividades de redução de estresse diariamente, como meditação, ouvir música, tai chi, yoga ou visualização guiada.
  • Exercício. Esta é uma espada de dois gumes, pois o exercício é, afinal de contas, um estado de inflamação aguda. O problema é quando essa inflamação se torna crônica, o que é provavelmente induzido por maratonas e outros treinamentos duros e consistentes (como o Crossfit). Sim, você fica mais forte através da reconstrução que ocorre através do exercício induzido, mas quando esta inflamação se torna crônica ela pode ser problema. Então, a chave aqui é que eu ainda treino duro, mas também DESCANSO e me RECUPERO também. Não se exercite em estado crônico, esforçando-se muito dia após dia. Faça um período de “descanso ativo” e permita que seu corpo se cure durante esse tempo.
  • Tome suplementos probióticos. Manter um intestino saudável é uma das chaves para ter um sistema imunológico forte e resposta inflamatória.
  • Limite o álcool. Se possível, evite-o por um tempo enquanto seus sintomas se acalmam. Um copo de vinho no jantar (faz parte da dieta mediterrânica) é ocasionalmente aceitável.
  • Evite alimentos processados. Alimentos processados ​​são repletos de conservantes e outros produtos químicos que podem contribuir para a inflamação crônica. Procure o que é fresco e orgânico tanto quanto possível e não caminhe pelos corredores de alimentos processados.
  • Durma sete a oito horas por noite em uma base regular.
  • Não fume. Fumar promove inflamação – isso é óbvio.
  • Limite ácidos graxos ômega-6. Essas gorduras pró-inflamatórias são comumente encontradas em óleos como milho, soja e amendoim. Você deve evitar todos os produtos de soja (especialmente proteína de soja isolada), pois estão cheios de estrógenos e disruptores hormonais.
  • Evite todas as gorduras trans. Estas são encontradas em alimentos fritos ou com ingredientes como óleo hidrogenado e parcialmente hidrogenado e margarina. Certifique-se de ler os rótulos com cuidado. Você deve ter uma “política de zero gordura trans”.
  • Alcance e mantenha um peso saudável. Carregar excesso de peso corporal e gordura, especialmente ao redor do meio do abdômen, promove inflamação crônica. Perder apenas 5% de peso no seu corpo pode ajudar a reduzir a inflamação.


A inflamação crônica é invisível, insidiosa e com risco de vida e é uma das maiores causas subjacentes da doença crônica. Não deixe isso te derrubar. Faça mudanças saudáveis no estilo de vida.

Publicado no site Huffpost

Referências:

  • Kwan HY et al. The anti-cancer and anti-obesity effects of Mediterranean diet. Critical Reviews in Food Science and Nutrition 2015 Apr 1:0
  • Martinez-Gonzalez MA, Bes-Rastrollo M. Dietary patterns, Mediterranean diet, and cardiovascular disease. Current Opinions in Lipidology 2014 Feb; 25(1): 20-26
  • Rheu GB et al. Risk assessment for clinical attachment loss of periodontal tissue in Koreanadults. Journal of Advanced Prosthodontics 2011 Mar; 3(1): 25-32
  • Rodriguez T. Gut bacteria may exacerbate depression. Scientific American 2013 Oct 17
  • Ruiz-Canela M et al. Dietary inflammatory index and anthropometric measures of obesity in a population sample at high cardiovascular risk from the PREDIMED (Prevencion con Dieta Mediterranea) trial. British Journal of Nutrition 2015 Feb; 27:1-12
  • Setiawan E et al. Role of translocator protein density, a marker of neuroinflammation, in the brain during major depressive episodes. JAMA Psychiatry 2015 Mar 1; 72(3): 268-75
  • Van de Rest O et al. Dietary patterns, cognitive decline, and dementia: a systematicreview. Advances in Nutrition 2015 Mar 13; 6(2): 154-68
  • Vgontzas AN et al. Adverse effects of modest sleep restriction on sleepiness, performance, and inflammatory cytokines.Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism 2004 May; 89(5): 2119-26

Veja outros posts relacionados...

nenhum

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *