Artigos

Artigos

Em primeira mão: tudo sobre a vacina de dose única da Johnson & Jonhson
A vacina de dose única da Johnson & Johnson foi autorizada pelo FDA dos EUA para uso de emergência na luta contra a pandemia global. O dorcronica.blog.br reproduz aqui o relatório que o FDA americano emitiu ontem ao autorizar o uso emergencial dessa vacina. O seu valor é duplo: descreve TUDO sobre essa vacina em termos simples e claros, e deveria servir de exemplo à ANVISA, que até hoje não mostra nada parecido e ainda sequer explica o que houve com as pendências encarregadas à Coronavac há dois meses. O Ministério da Saúde do Brasil assinou ontem uma intenção de compra da vacina.
Efeitos psicológicos de uma quarentena para valer
Com a pandemia, o atendimento dos pacientes acometidos de doenças e dores crônicas foi prejudicada. A redistribuição dos recursos de saúde para unidades de terapia intensiva e outros locais dedicados do Covid-19 era, e ainda é, prioritária. A suspensão desses serviços terapêuticos ou paliativos, juntamente com modalidades de quarentena tipo-sanfona e nenhuma comunicação central confiável sobre o controle da pandemia, trouxe incerteza e estresse aos pacientes afetados, com impacto adicional na sua saúde psicológica.
A menopausa aumenta as dores crônicas?
Mudanças comuns relacionadas à menopausa e ao envelhecimento incluem ganho de peso e diminuição da atividade física, que podem contribuir ao sono prejudicado, humor negativo e a sensibilidade aos sintomas e a tolerância à dor. De acordo com pesquisas, a menopausa influencia a gravidade e a morbidade da dor crônica da mulher. Este artigo descreve os principais destaques nessa relação que em muito prejudica a qualidade de vida da mulher.
Considerando o potencial para um aumento da Dor Crônica após a pandemia de Covid-19
Aos poucos, ao menos para alguns, começa a ficar claro que a vida pós-Covid-19 de muita gente não será um passeio no parque. Para parte dos infectados que se curaram, serão meses de fisioterapia, remédios diários e ausência de cheiros e sabores, no intuito de se livrar de problemas pulmonares e dores musculares persistentes. Ou seja, dores crônicas. E haverá outras dores do mesmo gênero, nas áreas cardiológica, hepática, neurológica, mental... Este artigo faz um rasante pelas diversas frentes em que a saúde humana muito provavelmente será atacada pelas sequelas da Covid 19.
Sexo, gênero e saúde: a necessidade de uma nova abordagem
Uma ampla gama de influências genéticas, hormonais e metabólicas desempenham um papel na formação de padrões masculinos e femininos distintos de morbidade e mortalidade. No entanto, essas diferenças não são reconhecidas pela medicina, na prática – com consequências nada boas para a saúde da mulher. Um viés de gênero tem a ver com essa omissão e isso vem sendo apontado até por publicações científicas... em vários países que não o Brasil. Curioso, não é mesmo?
Tratamento da dor crônica: objetivos médico-paciente são diferentes
A “aliança terapêutica” entre médico e paciente talvez seja mais uma hipótese desejável, do que uma realidade. Médicos e pacientes não costumam discutir entre si a correção de um diagnóstico ou os objetivos de um tratamento, ainda que divergências veladas existam. Dada a autoridade técnica do médico, e o desconhecimento de medicina e da própria doença, apresentado pelo paciente típico, isso seria “inadequado”, ou até “inconveniente”, socialmente falando. Dessa forma, porém, o manejo da dor crônica acaba se tornando improdutivo e uma fonte de experiências negativas para ambos. Este artigo examina rigorosamente essa questão com base numa pesquisa exploratória abrangendo 90 médicos e 113 dos seus pacientes.
Como a dor crônica afeta o sono
A superposição entre dor crônica e insônia tem sido demonstrada por várias pesquisas. Este artigo, escrito em linguagem acessível por uma neurologista e expert no campo da saúde do cérebro, examina 5 aspectos dessa relação: os distúrbios do sono causados pela dor crônica; como a dor crônica afeta o sono; os distúrbios do sono que afetam a resposta de uma pessoa à dor; as consequências psiquiátricas de distúrbios do sono relacionados à dor crônica; e as estratégias de avaliação e tratamento.
Estratégias para lidar com a dor lombar crônica
Todo paciente com dor lombar desenvolve, conscientemente ou não, maneiras de lidar com a sua condição. Especialmente os pacientes aos quais o médico recomendou sessões de fisioterapia. Estes já convivem com a dor há algum tempo e provavelmente possuem um diagnóstico, mas enfrentam a incerteza do que a fisioterapia pode oferecer. O presente artigo relata uma pesquisa abrangendo as estratégias de enfrentamento da dor preferidas por quase uma centena de pacientes pertencentes a diferentes grupos (sexo, idade).
Dor neuropática e a sua prevenção
A dor neuropática é causada por uma lesão ou doença do sistema somatossensorial, incluindo fibras periféricas (fibras Aβ, Aδ e C) e neurônios centrais. Ela afeta muita gente – entre 7 e 10% da população global – e pode ter múltiplas causas (ex.: sinalização somatossensorial excitatória e inibitória desequilibrada, modulação da dor pelo Sistema Nervoso Central e outras) e tem séria incidência sobre a qualidade de vida. Por isso me interessei por um artigo publicado recentemente na revista da Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor e que se concentra sucintamente na sua prevenção. Ou seja, na identificação precoce de fatores de risco e de recursos para aliviar a dor, por exemplo, antes de ela se tornar crônica. Didático, o artigo explica o que a dor neuropática é, e depois elenca estratégias e terapias que podem ser úteis ao seu tratamento.
Quando se preocupar com dor lombar - Parte 2
A Parte I desse artigo apresentou as piores causas possíveis de dor nas costas e suas principais características. E também os dois principais sintomas com os quais realmente convém se preocupar. Nessa Parte II são apresentados os Três Grandes sinais que convidam a investigar uma dor lombar persistente (mas que ainda não é uma emergência), assim como todas as bandeiras vermelhas sugerindo possíveis causas.