Dispensada

Dispensada

Um diagnóstico claro e preciso sobre o que causa dor persistente a uma mulher é raramente acessível a ela. Os motivos podem ser vários, alguns razoáveis e outros nem tanto. Mas o impacto na psique feminina é sempre o mesmo: desânimo, desamparo, raiva, culpa etc. Estranhamente, a questão é pouco ou nada debatida no Brasil. Esse post dá uma ideia de como ela vem sendo tratada noutras latitudes.

Fonte: pesquisa online divulgada pelo site Survey Monkey

Uma mulher pode tomar todas as decisões corretas sobre sua saúde e ainda ser traída no consultório do médico.

Tome como exemplo a paciente de 35 anos de idade encaminhada para a Dra. Marjorie Jenkins com vértebras fraturadas. Durante anos, a mulher sofria de problemas estomacais e sempre lhe disseram que ela tinha síndrome do intestino irritável. Mas a causa foi realmente intolerância ao glúten não diagnosticada, o que levou à osteoporose com 30 anos.

A Dra. Alyson McGregor, uma médica de medicina de emergência, diretora da Divisão de Sexo e Gênero em Medicina de Emergência na Brown University, muitas vezes trata mulheres jovens que estão tendo um ataque cardíaco, mas ela tem que lutar para convencer outros médicos a reconhecer o que está acontecendo.

As mulheres têm maneiras diferentes de ter um ataque cardíaco do que os homens, então quando os testes tradicionais – baseados em corpos masculinos – mostram que tudo é “normal”, as pacientes cardíacas são frequentemente informadas de que (no caso delas) deve ser refluxo ou ansiedade: “Mulheres são estigmatizadas”, McGregor disse. Mas, na realidade, os médicos ainda não têm os testes de diagnóstico para descobrir problemas cardíacos mais comuns em mulheres, como a doença microvascular e dissecções espontâneas da artéria coronária.

“Eu vejo com tanta frequência mulheres chegando repetidas vezes sem um diagnóstico que isso me faz sentir que temos que fazer melhor em descobrir a fisiologia específica das mulheres”, disse McGregor hoje.

Não é maldade, mas um preconceito generalizado, implícito, de sexo e gênero na medicina, que leva pacientes femininas a serem diagnosticadas erroneamente, negligenciadas, rejeitadas como queixosas, acusadas ​​de serem excessivamente ansiosas, rotuladas erroneamente como deprimidas ou que seus sintomas estão em suas mentes, segundo alegam médicos que lutam para mudar o sistema. O que será necessário para melhorar a forma como as mulheres, especialmente aquelas com condições crônicas de saúde, percebem que são tratadas pelos médicos?

Na pesquisa online “Dispensada” (“Dismissed”) divulgada pela Survey Monkey, mais da metade das mulheres acha que a discriminação de gênero pelos médicos é um problema sério, comparado a 36% dos homens.

Não é que “tudo está em nossas cabeças”

As mulheres falam sobre como os médicos descartaram sua dor, minimizaram seus sintomas ou simplesmente as enviaram para um psiquiatra.

É uma lacuna de sexo e gênero que toda mulher precisa conhecer.

As mulheres podem ter queixas diferentes dos homens – mesmo com condições de saúde semelhantes – e experimentam dor de forma diferente, mas a maioria dos médicos é treinada para identificar e tratar sintomas em homens, tornando menos provável o diagnóstico correto de pacientes do sexo feminino, alertaram os especialistas.

“É terrível. É um problema enorme”, disse a Dra. Janice Werbinski, diretora executiva da Colaboração de Saúde Sexual e de Gênero das Mulheres e professora clínica associada da Escola de Medicina Homer Stryker, da Western Michigan University. “Está em toda parte.”

“As mulheres podem ser prejudicadas pela prática da medicina de um sexo só, ou medicina cega em relação ao gênero”, disse Jenkins, professora de medicina do Centro de Ciências da Saúde da Universidade de Tecnologia do Texas e diretora científica do Instituto Laura Bush para a Saúde da Mulher. “Precisamos parar de ignorar a montanha de evidências de que homens e mulheres são diferentes”.

“Isso não é uma moda passageira – isso é sobre ciência. As evidências mostram que ser homem ou mulher tem efeitos profundos em sua saúde”, acrescentou a Dra. Janine Austin Clayton, diretora do Escritório de Pesquisa sobre Saúde da Mulher dos Institutos Nacionais de Saúde.

É difícil medir especificamente o tamanho do problema do viés sexual e de gênero na medicina, porque é difícil definir como os pacientes estão sendo tratados de forma diferente, disse Clayton.

Mas existem muitas pistas.

A prevalência do viés e seu impacto sobre as mulheres tem sido mais estudados na medicina cardíaca – agora objeto de pesquisa há mais de 20 anos –, mas também está aumentando no câncer, incluindo transplantes de pulmão, rim e medula óssea para câncer.

Estudos recentes descobriram:

  • A doença cardíaca é a causa número 1 de morte em mulheres americanas, mas apenas 22% dos médicos de atendimento primário e 42% dos cardiologistas se sentem bem preparados para avaliar o risco de doença cardiovascular em mulheres.
  • O viés na detecção e tratamento de ataques cardíacos levou as mulheres a ter uma mortalidade “significativamente mais alta” do que os homens. Pesquisadores estimam que milhares de mortes em mulheres poderiam ter sido evitadas se os cuidados fossem iguais entre os sexos.
  • Cada minuto conta durante um ataque cardíaco, mas os homens são levados às pressas para o laboratório de cateterização mais rapidamente do que as mulheres – medido por uma métrica conhecida como “tempo porta-balão” – para que os médicos possam abrir uma artéria bloqueada.
  • A osteoartrite é a condição crônica mais prevalente entre as mulheres, mas os médicos dão menos informações médicas e incentivo em relação a substituição total do joelho a pacientes do sexo feminino que têm dor crônica no joelho do que aos homens.
  • Mulheres com dor abdominal aguda na sala de emergência têm que esperar mais do que os homens para receber medicação para dor, uma média de 65 minutos, em comparação com 49 minutos para os homens.
  • O sistema imunológico das mulheres é mais robusto do que o dos homens, e é por isso que as mulheres têm muitas doenças autoimunes, disse McGregor. Mas mais de 40% das mulheres eventualmente diagnosticadas com uma doença autoimune séria foram informadas por um médico que elas “estavam demasiadamente preocupadas com sua saúde ou eram hipocondríacas”, disse Virginia Ladd, fundadora da American Autoimmune Related Diseases Association.

Por que isso está acontecendo: a era da ‘Medicina do Bikini’

Os médicos costumavam pensar que quaisquer diferenças de saúde entre homens e mulheres eram estritamente referidas aos órgãos reprodutivos. O serviço de saúde da mulher, às vezes, era apelidado de “medicina do bikini” porque se concentrava na doença da mama e questões ginecológicas/obstétricas, com tudo o mais pensado como igual aos corpos dos homens, disse o Dra. Kim Templeton, ex-presidente da American Medical Women’s Association e professora de cirurgia ortopédica na Universidade de Kansas Medical Center.

“Agora sabemos que existem diferenças entre os sexos em todas as condições de saúde. Qualquer sistema de órgãos que você escolher, qualquer condição de saúde que você escolher,” disse Templeton.

“Isso não é incluído rotineiramente na educação dos profissionais de saúde, inclusive nas escolas de medicina.”

A educação médica foi criada para ensinar que um macho de 70 quilos era a norma, com todos os outros sendo uma “variante” disso, ela observou.

O problema é que ensinar sobre as diferenças sexuais ainda não está sendo reconhecido como uma necessidade na maioria das escolas médicas, com apenas alguns grupos de instituições prestando atenção à questão, disse Werbinski. Mais de uma dezena de escolas estão usando agora materiais curriculares sobre medicina específica para sexo e gênero, criados pelo Instituto Laura W. Bush para a Saúde da Mulher, por exemplo.

Mas o órgão de credenciamento das faculdades de medicina dos EUA não lista o ensino sobre sexo e diferenças de gênero como um requisito para o credenciamento, observou ela.

“Estou ciente de que as mulheres e os outros podem sentir que não são ouvidas tão bem quanto deveriam ser. Portanto, há espaço para uma melhoria contínua na escola de medicina e aprendizagem contínua em toda a nossa profissão”, disse Dra. Alison Whelan, diretora de educação médica da Associação de Faculdades Americanas de Medicina.

Depois de ver a evidência, você não pode ignorá-la

“Quando apresentamos isso a uma sala de 250 profissionais da saúde – as questões e a ciência – eles dizem: ‘Oh meu Deus, não posso acreditar que não estamos ensinando isso’, disse Jenkins. “Uma vez que você o vê, você não pode ignorá-lo.”

Werbinski e seus colegas também estão pressionando o Conselho Nacional de Examinadores Médicos, que administra os testes que os estudantes de medicina devem passar para se tornarem médicos, para incluir questões sobre sexo e diferenças de gênero. A esperança é que, desde que as escolas médicas ensinem no teste, elas teriam um incentivo para incluir esses tópicos em seus currículos. Mas, no momento, ainda há “muito, muito pouco” sobre as diferenças de sexo nos exames médicos.

“Temos tentado lidar com isso de todos os ângulos disponíveis, mas a medicina organizada é como um enorme navio de cruzeiro e é difícil mudar de rumo]. É difícil introduzir a necessidade de um novo currículo, porque o currículo já está tão cheio”, disse Werbinski.

Veja outros posts relacionados...

nenhum

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *