Dor Crônica

Dor Crônica

Armas de destruição em massa para acabar com a dor crônica?
O que você faz diante de um muro de 4 metros de altura com uns 47 cães selvagens no seu encalço? Enfrentá-los? Fight or flight? Nem pensar. Situação sem saída. Flight, então. Porém são 4 metros! Então você decide escalar o muro. Como? Ora, com as unhas, os dentes, a língua, o que for. A educação em dor vive uma situação parecida. O paciente sofredor é o educando, e alguém precisa educá-lo. Mas esse “alguém”, na prática, não existe. Então o Dr. Moseley, um especialista em dor respeitado em todo mundo, propõe virar a situação pelo avesso. E assim, quem sabe, desarmar de vez essa paródia em que a educação em dor se transformou. Nesse post ele conta como.
O uso de comics no alívio da dor crônica
Nessa semana temos o Comic Con Experience em São Paulo. Movimenta quase um quarto de milhão de pessoas e mais de um quarto de bilhão de dólares, a mídia diz. Ou seja, comics transmite, sensibiliza, movimenta… E será que cartuns – antecessores dos comics – podem ter efeito similar na população dos que sofrem com dores crônicas? Será?
Síndrome do intestino irritável: a dor crônica que muitos têm e da qual poucos querem falar
Geralmente, quando pensamos em dores crônicas nos esquecemos das dores crônicas viscerais – e como elas são prevalentes. A denominada Síndrome do Intestino Irritável (ou SII), por exemplo, é uma doença crônica que afeta nada menos que 11% da população mundial. Este post visa informar sobre ela. A propósito, o seu intestino anda funcionando bem nos últimos tempos? Opa! desculpe, não precisa responder.
Tudo que você queria saber sobre fibromialgia e tinha medo de perguntar - As primeiras reações
As reações dos visitantes do blog que tem acessado a Parte 1 do ebook “Tudo que Você Queria Saber sobre FIBROMIALGIA e Tinha Medo de Perguntar” são muito parecidas às minhas ao longo dos vários meses que me dediquei a produzi-lo. Elas não completam o quadro porque o tema é vasto – apenas essa Parte 1 têm 92 páginas – mas fornecem um bom desenho do que a fibromialgia é atualmente: uma doença que afeta muita gente, sobre a qual muito se fala e quase nada realmente se sabe. Uma filha pródiga da medicina, noutras palavras.
Tudo que você queria saber sobre fibromialgia e tinha medo de perguntar
A fibromialgia é a bola da vez na medicina que cuida de dores crônicas inexplicáveis – ou não específicas, ou como quiser chamar o que provoca sofrimento sem causa aparente. Dentre todos as doenças que apresentam essa característica, essa síndrome/doença crônica é hoje a mais prevalente, no Brasil e em muitos outros países. Esse post apresenta um ebook inédito que destrincha o tema de cabo a rabo, feito para os já diagnosticados com fibromialgia e também para os que pensam vir a sê-lo.
Fibromialgia e os medicamentos
Um número significativo de pacientes com fibromialgia não responde adequadamente aos medicamentos que são prescritos ou experimenta efeitos colaterais intoleráveis. Esse post entra nos detalhes.
Dor crônica 1.0
Confesse: você ouviu falar de dor crônica, porém ignora o que, no fundo, sabe que deveria saber sobre ela... e isso lhe incomoda. Afinal, você vive com essa dor... ou melhor, ela não deixa você viver. E ficar nessa inocência é como transitar pelo Iêmen sem falar iemenita, concorda? Mas não se aflija. Se você se enquadrar nessa categoria, leia esse post em que eu lhe ofereço uma saída... boa, bonita e barata.
Dor crônica de alto impacto: quem é o principal alvo?
Uma avaliação abrangente pode orientar a seleção de tratamentos com maior probabilidade de beneficiar o paciente idoso e identificar alvos para intervenção além do alívio da dor. Eis a recomendação dos autores desse artigo, a qual vem acompanhada de um guia prático para levá-la adiante.
Dor crônica? Ora, vai um comprimido aí?
Se você já desistiu de um tratamento medicamentoso prescrito com receita e tudo, já imagina o que vou lhe dizer: que isso foi um erro. E provavelmente foi. Porém, às vezes não é. As regras para “tomar remédios” não são infalíveis que nem o Papa. O seu fígado também importa.
Dor crônica no Brasil: apagando o incêndio. Com um conta-gotas.
A educação em dor não é apenas uma espécie de higiene mental politicamente correta. Ela é terapia com fins analgésicos e desestressantes. E se bem-feita e em conjunto com outros aportes (ex.: exercício), há evidências de que ela “funciona” nesses sentidos, e melhor do que fármacos. Contudo, educar gente em dor num país continental como o Brasil requer “sair da caixa”, abandonar os enfoques pedagógicos convencionais e criar soluções massivas, que talvez atentem para pouco, mas atinjam muitos.