Estresse: você precisa saber!

Estresse: você precisa saber!

Sites e revistas propõem inúmeras medidas para lidar com o estresse. “Faça isso, faça aquilo…” e nenhuma delas parece funcionar. O número de estressados crônicos só aumenta. Por que isso? Porque são comandos que vem de fora da pessoa, como remédios comprados em farmácia. Convém tentar outra estratégia. Que tal mudar para: “Penso isso, penso aquilo…”?

Digite stress ou estresse no Google e vão aparecer dezenas de tábuas como as de Moisés, mandando fazer isso e aquilo para se livrar desse distúrbio mental. Dependendo de quem propõe são 7, 10, e até 21 maneiras de combatê-lo.

A seguir, um exemplo: As 7 Maneiras para Melhorar a sua Tolerância ao Estresse,  propostas por, claro, um coach que dá cursos sobre, você adivinhou, isso mesmo.

As 7 Maneiras para Melhorar a sua Tolerância ao Estresse

1Não tenha medo do estresseSe acharmos que uma resposta ao estresse é uma resposta natural ou até útil, a reação será mais facilmente dissipada. Alguma quantidade de estresse pode ser boa para você.
2Reconheça seu estresse e nomeie-oSimplesmente nomear um sentimento negativo ajuda a diminuir a atividade na região da amígdala do cérebro e ativa parte do nosso córtex pré-frontal.
3Tomar uma açãoIsso pode significar afastar-se de uma situação até que você possa responder em vez de reagir reflexivamente.
4Concentre-se no que é importantePreste atenção no que você quer ou no que realmente importa para você. Isso ajuda a ativar o CEO do seu cérebro, o córtex pré-frontal.
5Arranje tempo para se recuperarNovamente, a recuperação é essencial para evitar o acúmulo de estresse.
6Pratique iogaA ioga pode diminuir nossa percepção do estresse, bem como nossa resposta do estresse à dor. Além disso, exercícios mente-corpo (por exemplo, ioga, tai chi, meditação, Qi gong e respiração) parecem ter revertido os efeitos do estresse crônico no nível celular.
7Obtenha suportePortanto, se você não tiver um ótimo suporte, obtenha um!

Quem poderia negar a contribuição que qualquer uma das prescrições anteriores – ainda mais todas juntas – a quase qualquer coisa na sua vida? Certamente são todas interessantes. Mas temo que também absolutamente inúteis, na prática, para erradicar o estresse – que é o que aqui interessa.

Algo assim como tratar de uma inflamação no Dente do Siso consumindo quantidades industriais de aspirina.

A única solução é, via de regra, extrair o desgraçado. Ninguém gosta, mas é o que é.

Mesma coisa em relação ao estresse. Medidas profiláticas, como respirar pelo diafragma, por exemplo, acalmam… especialmente enquanto você estiver praticando essa respiração. O seu efeito calmante, porém, desaparece no próximo semáforo, ou compromisso urgente, ou rispidez ouvida de superiores ou sócios. E se você correr para o banheiro para respirar profundamente cada vez que essas coisas acontecerem, vai faltar banheiro.

Eu tenho a minha própria teoria para reduzir o estresse. Se você estiver curioso, fique um tempinho mais por aqui.

O primeiro a fazer é entender o que é o estresse. Ah, ele é um banho de cortisol, um hormônio – você já deve ter visto isso escrito cem vezes. Porém, cá entre nós, você sabe mesmo o que é um hormônio? E o hormônio cortisol, especificamente? Onde ele é fabricado e por quem, no organismo? E como ele “sai do sério” por conta do estresse?

Ora, você precisa saber.

Segundo passo: você faz ideia de como esse banho de cortisol eventualmente pode danar o organismo – mente e corpo, tudo junto? Você sabe o que é o eixo hipotálamo-pituitária-adrenal e como o estresse o desmonta?

Ora, você precisa saber.

Agora, você sabe quais são os inúmeros e permanentes efeitos deletérios do estresse sobre a saúde de um bípede? Como eles vão de dor generalizada à depressão, passando por problemas cardíacos, sobrepeso, problemas digestivos, distúrbios do sono, fibromialgia e ansiedade, seja diretamente ou colaborando com o agravamento de quanta doença e/ou dor você pode vir a ter na vida?

Ora, você precisa saber.

Por fim, o estresse não cai do céu. Ele é causado por algo ou alguém na vida da gente. São os chamados estressores – as dívidas, o trânsito, a sogra, o amigo-que-acabou-de-se-separar-e-não-larga-o-seu-pé e, claro, Gilmar, Trump, Bolsonaro e o coreano maluco. O estresse é obra deles e, ergo, há de eliminá-los para eliminar o estresse. E como isso vai lhe consumir uma energia, a questão central é: quais são seus estressores mais importantes? Você sabe?

Ora, você precisa saber.

E sabe por que você precisa saber de TODO o anterior? Porque desfrutando da ignorância você NUNCA, nunquinha mesmo, vai conseguir fazer nada para barrar o seu estresse e sair vivo dessa. Alheio intelectualmente a tudo isso você sempre irá ver o estresse como algo relativamente inofensivo, indolor e passageiro, que jamais irá ameaçar a sua saúde física e mental, nem a paz familiar, nem a sorte de seus negócios ou vida profissional, nem o seu futuro e o de seus filhos etc. Ou seja, você nunca irá inserir o estresse e seus efeitos no contexto de sua VIDA.

E assim sendo, dificilmente você irá aportar um dia nesse instante iluminado pelos deuses em que, pode ser sentado num banco no parque, ou frente ao mar, ou na fila do Starbucks, você decreta para si mesmo e de uma vez por todas pra valer:

Estresse e o que você precisa saber - Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas

Obs. Quer selecionar seus estressores mais importantes? Clique aqui e escolha-os dentre os 40 mais relevantes que a ciência já apontou. Em seguida, reflita sobre eles e as possibilidades de eliminá-los. Em menos de 5 minutos você pode mudar a sua vida, e sem pagar um centavo.

Você tem pacientes? Quantos deles sofrem de dor crônica? E quantos estão estressados? Não precisa responder. São muitos, a maioria, talvez. E você certamente sabe que o estresse crônico anda de mãos dadas com a dor crônica. Então, distancie-se da concorrência e convide seus pacientes a conhecer o aplicativo Pentágono, especialmente desenhado para reduzir o estresse. É de graça. Em 15 segundos a pessoa começa a mudar sua vida e a aliviar sua dor. E você sozinho – ou a sua empresa – leva os louros por isso.

Veja outros posts relacionados...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *