Eu sou uma forte defensora do Dr. Sarno e sua abordagem, e acho que todos podem se beneficiar ao entender sua teoria. No entanto, é possível que sua dor nas costas (ou outros sintomas) seja causada por algo grave, como um tumor, uma infecção ou osteoporose grave. Se você está sofrendo de dor nas costas severa, é importante que seja examinado(a) por um médico, de preferência, que esteja familiarizado com dor e com o TMS (ou SMT – Síndrome de Miosite Tensional).

Ao longo dos anos, de acordo com nossas crenças sobre pessoas boas e más, criamos uma longa lista de requisitos para nós mesmos. Há sempre um medo subjacente de que, se não atendemos a todos os nossos requisitos (e geralmente temos padrões ridiculamente altos para nós mesmos), então não seremos amados. Temos medo de outras pessoas nos rejeitarem, porque descobrirão quão falho e grosseiro nós realmente somos. Quando estamos na nossa zona de conforto as coisas parecem boas. Mas, inevitavelmente, surgem situações que nos fazem sentir que não estamos de acordo com as expectativas. Diga:

“Eu sou uma boa mãe. Ora, eu adoro o meu bebê com todo meu coração, mas desde que ele nasceu, eu não tive uma única boa noite de sono. Meu marido e eu não mais conseguimos passar tempo juntos, sozinhos. Minha sogra continua a perambular pela casa. Não tenho tempo para sair com os amigos. Sinto falta do meu trabalho e de interagir com adultos. No fundo, eu me ressinto do bebê por tornar minha vida tão diferente e tão difícil.”

Na verdade, não é ruim ter esses pensamentos porque são apenas pensamentos. Mas digamos que tenho uma convicção profundamente condicionada de que uma boa mãe nunca pode se ressentir do bebê dela. E acredito que, se eu admitir a mim mesma ou a qualquer outra pessoa que me ressInto do meu bebê, basicamente admito que sou uma mãe horrível e egoísta. E como admitir e experimentar o medo de ser uma mãe horrível é a última coisa que eu quero fazer, então eu procuro formas de evitar isso. Distrações vêm em uma variedade de sabores, e aqui estão apenas alguns exemplos:

“Eu vou apenas gerenciar meu tempo melhor. Eu conseguirei que todas as tarefas domésticas terminem cedo e então eu terei mais tempo para gastar com meu marido. Então tudo será ótimo”. Nós culpamos os outros e nos irritamos com eles. “Se a mãe irritante do meu marido não estivesse tanto por aqui, eu teria muito mais tempo para mim”. Nós comemos demais, fazemos compras demais, bebemos, fumamos ou nos envolvemos em outros comportamentos aditivos, sempre demais. Nós assumimos outros projetos para ocupar nosso tempo. E então desenvolvemos TMS.”

O diabo é que isso é, na verdade, o modo de nosso cérebro e corpo nos ajudar. É uma maneira de tirar a atenção dos sentimentos negativos e direcioná-los para uma dor física ou outro sintoma médico. Através do sistema nervoso autônomo, o cérebro inicia mudanças fisiológicas e então sintomas dolorosos se desenvolvem logo após. E geralmente os sintomas são tão dolorosos e angustiantes que é impossível focar em qualquer outra coisa. Claro que ninguém quer ter dor. Mas em um nível inconsciente profundo, geralmente acreditamos que é mais fácil (e certamente mais socialmente aceitável) lidar com a dor física do que sentir os horríveis sentimentos de falta-de-valor que os pensamentos negativos evocam.

Este é um ponto muito importante para entender sobre o TMS – a dor serve para um propósito. Funciona como uma distração.

Uma resposta comum a esta explicação é: “Mas isso não se aplica a mim porque não estou chateada com nada”. Ou “talvez algumas pessoas tenham dor induzida emocionalmente, mas minha dor é causada por uma condição médica real. O médico disse isso”. É certamente possível que a dor esteja sendo causada por uma condição médica grave, como um tumor ou uma infecção, e por isso é muito importante que a pessoa seja examinada por um médico. No entanto, muitas anormalidades estruturais (como hérnia de discos ou desequilíbrios musculares) são erroneamente responsabilizadas por dor que realmente é induzida emocionalmente. O Dr. Sarno faz um ponto importante em seus livros – os sentimentos que desencadeiam os sintomas de TMS não são conscientes, sentimentos percebidos de raiva ou medo. O que perturba são os sentimentos negativos que estão a ferver abaixo da superfície, e é por isso que eles são tão difíceis de identificar. Digamos, por exemplo, que meu chefe me critica no trabalho. Estou plenamente consciente de que estou com raiva pelo fato de ser criticada. Mas pode haver outros sentimentos por baixo dessa raiva. Inconscientes. Talvez eu tenha medo de que meu chefe esteja realmente certo e que de fato eu não esteja fazendo um trabalho excelente – tão bom quanto eu me acho. Ou talvez eu tenha medo de que minhas opiniões não sejam levadas a sério. Ou eu tenha vergonha de não poder lidar com uma pequena crítica sem ficar chateada. Esses sentimentos sutis de “não ser suficientemente bom” – o medo de não atender às expectativas – iniciam o processo TMS.

Compreender como tentamos evitar sentir-nos “desvalorizados ante nós mesmos” é crucial para curar os sintomas de TMS porque esse esquivamento é o que desencadeia toda a síndrome. Para eliminar os sintomas de TMS, o paciente precisa tomar consciência dos próprios sentimentos que ele está tentando evitar. E ele precisa saber – no fundo do seu coração, não apenas intelectualmente – que é completamente bom experimentar esses sentimentos. O sofredor não precisa eliminar o estresse de sua vida, nem precisa aprender a “gerenciar” o estresse através de técnicas de relaxamento ou respiração. Ele simplesmente precisa identificar e experimentar os sentimentos que ele está tentando evitar.

A premissa básica do TMS é que o medo e a raiva inconscientes podem induzir mudanças fisiológicas. Esta é uma pílula bastante difícil para algumas pessoas engolir. No geral, a medicina ocidental convencional tende a desprezar a idéia de que a doença psicossomática existe. Há, no entanto, evidências científicas crescentes para apoiar a relação entre emoções e doenças.

O Dr. Sarno desenvolveu sua teoria sobre o TMS como resultado do trabalho com pacientes sofrendo de dor nas costas e nas articulações. Ele notou que uma grande maioria (88%) apresentava antecedentes de condições induzidas por tensão, como azia, sintomas pré-úlceras, hérnia de hiato, síndrome do intestino irritável, colite, cólon espástico, cefaléia, enxaqueca, eczema, e micção freqüente. Nem todos os médicos concordam que esses distúrbios são induzidos emocionalmente, mas com base em sua própria história médica e suas observações clínicas na época, o Dr. Sarno sentiu-se confiante de que, na verdade, eram. Esta correlação entre dor nas costas e distúrbios induzidos pela tensão e a falha nos tratamentos convencionais de dor nas costas, levaram-no a acreditar que a dor nas costas podia ser causada por tensão emocional. Ele notou que almofadas de aquecimento, massagens e fisioterapia manual (que aumentam a circulação para a área aplicada) pareciam aliviar temporariamente a dor. E assim formulou a hipótese de que a causa real da dor seria uma redução do fluxo sanguíneo para os tecidos moles na área afetada. Uma redução no fluxo sanguíneo significaria uma redução do oxigênio disponível para os tecidos, e esse estado ligeiramente isquêmico certamente poderia causar dor.

Pense no que acontece durante um ataque cardíaco – o fluxo sanguíneo para o músculo cardíaco está completamente bloqueado e o paciente compara a dor resultante com a de um elefante sentado no peito. No caso de dor nas costas e nas articulações, no entanto, não há danos permanentes nos tecidos moles, porque há apenas uma menor redução no fluxo sanguíneo. Na verdade, o Dr. Sarno percebeu que, uma vez que seus pacientes entenderam e aceitaram o fato de que eles estavam sofrendo de uma desordem induzida pela tensão, sua dor rapidamente desapareceu e eles puderam retomar suas atividades anteriores. Novos em folha. Isso nos leva a indagar: como a tensão emocional realmente induz mudanças fisiológicas em todo o corpo?

O que sabemos até agora

O sistema límbico no cérebro tem sido historicamente considerado o “assento das emoções”. Pensa-se que seja a área do cérebro que produz os sentimentos desagradáveis do medo, raiva, etc. Alguns pesquisadores, como o Dr. Candace Pert, acreditam que as emoções se originam na cabeça e no corpo. Para os nossos propósitos aqui, realmente não importa onde eles se originam. O ponto importante no trabalho do Dr. Pert é o seguinte: “Os neuroreceptores se juntam ao cérebro, às glândulas e ao sistema imunológico em uma rede de comunicação entre cérebro e corpo, provavelmente representando o substrato bioquímico da emoção”. Seu trabalho provou que as emoções têm absolutamente um efeito fisiológico em todas as partes de nossos corpos.

Veja o que acontece quando as emoções levam a disfunção no sistema imunológico. Se o sistema imunológico não reage fortemente aos invasores estrangeiros, o resultado é a susceptibilidade a infecções: resfriados freqüentes, infecções fúngicas, infecções do trato urinário. A superestimulação do sistema imunológico, por sua vez, pode causar reações alérgicas. E quanto ao sistema nervoso autônomo? Este sistema, controlado pelo hipotálamo, é responsável pela resposta “lute ou fuja”. Ele pode direcionar instantaneamente o fluxo de sangue para ou de várias áreas do corpo. Este processo pode causar dores de cabeça, enxaqueca, dor nas costas, dor nas articulações e disfunção nervosa.

O sistema imunológico e o sistema nervoso autônomo são apenas dois exemplos. Lembre-se de que as emoções afetam todas as partes do corpo. Eles certamente podem afetar o sistema endócrino e sua posterior liberação de hormônios. E a teoria do TMS sugere que as emoções também afetam a química do próprio cérebro – o que significa que vários distúrbios psicológicos (depressão, ansiedade, transtorno obsessivo-compulsivo) também são manifestações de TMS.

O que ignoramos até agora

Não temos certeza exatamente como a mente/corpo decide quais as alterações fisiológicas a fazer em resposta a emoções inaceitáveis. Não sabemos por que algumas pessoas se recuperam da dor, outras desenvolvem cólon espástico, e outros ainda sofrem enxaqueca. Alguns praticantes de medicina alternativa sugerem que emoções específicas podem causar sintomas específicos (a preocupação financeira causa dor no joelho, por exemplo), mas eu realmente não acho que seja o caso. Eu acho que você desenvolve os sintomas que irão funcionar como a melhor distração para você – aqueles que você menos provavelmente pode atribuir à tensão emocional.

Você pode ter notado que não mencionei anormalidades estruturais como discos herniados, discos degenerados, osteoartrite, estenose espinhal, escoliose, nervo comprimido, espinha bífida oculta, espondilóse, músculos torso fracos ou inflexíveis, rupturas menores de cartilagem, depósitos de cálcio, lesões no manguito rotador ou inflamação dos tecidos moles (tendinite, bursite, fascite). Isso é porque nenhum desses é responsável pela dor. Essa é outra idéia difícil para os sofredores de dor engolir.

As pessoas com dor nas articulações costumavam ver um ortopedista, um quiroprático, um fisioterapeuta ou um podólogo para descobrir o que estava causando a dor. Então, elas ouviam sobre a existência de desequilíbrios musculares em torno da articulação, ou talvez de alguma inflamação do tecido mole. Nenhum desses é responsável pela dor. Postura ruim e desequilíbrios musculares podem levar a uma redução na amplitude de movimento, mas não a uma dor intensa. E o que muitas vezes é diagnosticado como tendinite, bursite, fascite, metatarsalgia, talas de canela, cotovelo de tenista, ciática ou síndrome do túnel do carpo é, na realidade, apenas uma área de tecidos moles sofrendo de leve privação de oxigênio.

Os pacientes geralmente carregam raios-x ou ressonâncias magnéticas que mostram alguma anormalidade provocada nas articulações ou coluna vertebral. Não nego que eles tenham algumas anormalidades articulares de aparência estranha. Estou dizendo que as anormalidades não causam dor. Muitas pessoas, que não têm nenhuma dor, têm todos os tipos de possíveis de irregularidades estruturais na coluna vertebral. Muitas pessoas que sofrem de dor insidiosa não têm irregularidades. E algumas pessoas até têm irregularidades e dores, mas a irregularidade está numa área que não poderia ser responsável pela dor. (Existem muitos estudos de pesquisa que mostram que não há correlação entre protusões do disco e dor nas costas, por exemplo.) Agora, é lógico culpar a dor sobre a anormalidade detectada no raio-x ou na ressonância magnética, especialmente quando essa é a única coisa visível que o médico está levando em consideração. E afinal, é isso que ele foi treinado para fazer. Mas depois de vinte e alguns anos de observação de pacientes com TMS, o Dr. Sarno percebeu que seus pacientes apenas eliminavam permanentemente seus sintomas quando aceitavam o fato de que as anormalidades estruturais não estavam causando o problema. Ele percebeu que muitas dessas anormalidades (como osteoartrite, discos degenerados, pequenas lágrimas do manguito rotador, lágrimas menores na cartilagem) são simplesmente parte do processo de envelhecimento. Ora, os seres humanos desenvolveram-se indoloramente durante séculos, mas recentemente adquirimos a tecnologia para vê-los com máquinas de raios-x e MRI.

Enquanto um paciente acredita que há algo “errado” com as costas ou outra articulação, a dor vai ficar por aí. Por quê? Porque ainda está funcionando como uma distração. Ainda está mantendo o foco longe das emoções desagradáveis na mente inconsciente. Aqui estão alguns outros pontos para lembrar. O corpo humano tem uma capacidade maravilhosa para curar. Quero dizer, maravilhosa. Se você quebrar o osso da coxa na metade, este ficará tão bom quanto novo em seis semanas. Então, por que no mundo uma queda que você sofreu há dez anos ainda faz com que suas costas acendam e causem dor? Ou mesmo a cirurgia que você teve há alguns anos atrás? Você não acha que a área deveria ter se curado até agora? E a idéia de que uma atividade menor, como curvar-se para amarrar seus sapatos ou dormir em um colchão macio, poderia “trazer a dor de volta” é ridícula.

Muitas vezes, se um paciente tem fé em um tratamento particular, ele ou ela vai melhorar, independentemente da verdadeira eficácia do tratamento. É chamado de efeito placebo. O alívio geralmente é temporário, infelizmente, e os sintomas eventualmente retornam. Isso é essencialmente o que está acontecendo quando você sofre os tratamentos convencionais para dor nas costas e nas articulações. Quiropraxia, massagem profunda, fisioterapia, injeções de cortisona, cirurgia e todos os produtos vendidos no Relax the Back estão latindo à árvore errada. Eles assumem que há algo fisicamente errado com suas costas. Muitas dessas modalidades são boas para aliviar temporariamente os sintomas – porque eles temporariamente aumentam a circulação na área, ou você tem fé suficiente no procedimento para aproveitar o efeito placebo. Mas se você apenas trata os sintomas, e não a causa raiz, os sintomas eventualmente voltarão. Ou você pode desenvolver outra versão do TMS. É muito comum que a dor nas costas desapareça de repente, apenas para ter dor no ombro ou enxaqueca ou síndrome do intestino irritável aparecendo em seu lugar.

Pergunte a qualquer pessoa que sofra de dor severa nas costas como isso afetou sua vida. Ela provavelmente vai te dizer que agora ela, a sua vida, gira em torno de suas costas. Medo de sentar por longos períodos de tempo, medo de dormir em um colchão macio. Ela não participa mais de atividades habituais com amigos, colegas de trabalho, familiares. Gastou os tubos em despesas médicas. E toma fortes analgésicos apenas para passar o dia. Ela está completamente desiludida com médicos e procedimentos médicos infrutíferos. Agora diga a ela que sua dor é causada por algo em sua cabeça. Se ela não quebrar seus dentes, ela provavelmente irá dizer-lhe para ter relações sexuais com você mesmo. (Muitas pessoas me disseram isso.)

O propósito geral do TMS é desviar a atenção das emoções inaceitáveis e manter a atenção focada nos sintomas físicos. Se você sofre de TMS, provavelmente já ouviu médicos, colegas de trabalho, amigos e familiares. Em algum momento, alguém certamente sugeriu para você que sua dor estava “toda na sua cabeça”, que é a coisa mais insultante que você pode dizer a alguém que se sente miserável. Não estou dizendo isso. Estou dizendo que a dor e os sintomas são definitivamente reais, mas a causa original está na sua cabeça. E a boa notícia é que, definitivamente, há uma maneira de eliminar todos os sintomas.

Lembre que o seu cérebro começa toda essa bagunça para protegê-lo de sentimentos que parecem ameaçar sua auto-imagem. Para ele, essas são as coisas mais assustadoras imagináveis, porque esses sentimentos o ameaçam, todas as qualidades que o fazem, a própria essência que você é. Nada pode fazer você se sentir mais vulnerável. Então, para o seu cérebro, qualquer coisa é uma alternativa melhor. Até mesmo uma dor excruciante. Todas as versões do TMS servem exatamente à mesma finalidade, por isso é bastante comum que um conjunto de sintomas desapareça, apenas para que algum outro ocupe seu lugar. O cérebro escolhe a distração mais prática e aceitável. É muito comum ter dor no local de uma lesão antiga, porque seu cérebro sabe que você provavelmente não irá associar a dor com tensão emocional. Você quase certamente atribuirá a dor à lesão, mesmo que tenha sido uma lesão menor ocorrida há anos.

As úlceras tornaram-se muito menos comuns ao longo dos anos, provavelmente porque o público percebeu que estavam associadas à tensão emocional. Elas não mais funcionam como distração. Ao mesmo tempo, a incidência de dor nas costas e nas articulações aumentou, provavelmente porque o público foi levado a acreditar que as costas e as articulações são muito delicadas e facilmente feridas. (O que é ridículo! Pense em todo o trabalho manual livre de dor que nossos antepassados realizaram!) Esta informação errônea vem de várias fontes – ortopedistas, fisioterapeutas, quiropatas, podólogos – todos os que foram treinados para tratar anormalidades estruturais e desconsiderar completamente o envolvimento da mente. Na sociedade atual é perfeitamente aceitável ter uma doença “real”. Mas se alguém acusar uma desordem induzida pelo estresse, é imediatamente desacreditado.

Medo e condicionamento

O medo desempenha um papel importante no prolongamento dos sintomas. A sabedoria médica atual diz que você não pode arquear suas costas, você não pode levantar nada pesado, você não pode dormir em um colchão macio, você não pode sentar-se por muito tempo, você não pode sentar-se numa cadeira ergonomicamente incorreta, você não pode correr no pavimento, blábláblá. Então, se você sentir dor depois de correr no pavimento, por exemplo, você provavelmente vai culpar a dor por tê-lo feito. É o condicionamento pavloviano. Você provavelmente terá medo de correr no pavimento a partir desse ponto, porque você sabe quão miserável é a dor e fará qualquer coisa para evitá-la. Então você começa a mudar sua vida gradualmente, até o ponto em que você não é mais capaz de fazer a maioria das suas atividades favoritas.

Você deve entender e aceitar completamente o diagnóstico de TMS para desfazer esse condicionamento. É crucial retomar suas atividades normais, para provar a si mesmo que não há nada fisicamente “errado” com as costas, o pescoço ou o cotovelo ou seja o que for. Se você está livre de dor, mas ainda tem medo de retomar suas atividades normais, você ainda não está “curado”. Viver com medo constante de se machucar mantém sua atenção focada nos sintomas físicos, e esses sintomas eventualmente retornarão porque você ainda não aceitou o fato de que existe uma causa emocional.

Às vezes, a dor volta

A dor pode se repetir por vários motivos. Em primeiro lugar, uma vez que todas as formas de TMS servem o mesmo propósito – o de distrair você – não é incomum que um conjunto de sintomas substitua outro. É comum que a dor no pescoço desapareça, e que a dor no joelho se desenvolva no seu lugar. Ou para que a dor em um ombro desapareça, apenas para reaparecer misteriosamente no outro ombro. Ou após a dor nas costas sumir, começar a experimentar ataques de pânico. Para se garantir, você deve descartar qualquer doença grave como a causa dos novos sintomas, mas é provável que eles sejam apenas outra manifestação de TMS. Eles estão lá para continuar desviando sua atenção das emoções subjacentes. Se os sintomas continuam voltando, se eles estão no local original ou não, isso significa que você ainda não identificou as emoções inconscientes que estão causando a síndrome total. Ou você pode não estar ciente de quão profundas e intensas são essas emoções. Ou você pode não ter aceitado completamente o diagnóstico de TMS.

A experiência com pacientes com TMS mostrou que muitas pessoas podem erradicar de forma imediata e permanente seus sintomas, uma vez que elas entendem o que está acontecendo.

Como curar o TMS

Para curar esta síndrome, você deve ir tão longe na cadeia de eventos quanto possível e atacar a causa pela raiz. Os tratamentos convencionais podem dar um passo ou dois – os analgésicos tratam os sintomas físicos, os tratamentos de massagem ou ultra-som abordam as alterações fisiológicas – mas não abordam a raiz da causa. Para eliminar completamente todos os sintomas, você deve identificar quais emoções inaceitáveis estão ameaçando sua auto-imagem. Os sintomas físicos estão presentes por uma razão: distraem sua atenção das emoções inaceitáveis. Uma vez que você reconhece as emoções ameaçadoras, os sintomas já não funcionam como uma distração, e eles se afastam. Muito drasticamente, eu poderia acrescentar. Você nem precisa eliminar a fonte do estresse – você só precisa se dar conta disso.

Uma vez que estamos falando de emoções inconscientes, elas podem não ser imediatamente evidentes. Reconhecê-las pode dar algum trabalho. Um período de meditação diário, durante o qual você dedica tempo para perceber todos os pensamentos e sentimentos que flutuam na sua cabeça, é uma prática muito benéfica. E tente fazer uma lista de expectativas, ou requisitos, que você tenha sobre si mesmo, e veja quais deles estão sendo ameaçados pela situação atual. Muitas vezes, exigimos que a vida seja justa. “Eu sou uma boa pessoa, eu mereço coisas boas para mim”. Infelizmente, a vida raramente é justa, e pode se tornar uma fonte de raiva intensa.

Arriscando ser repetitiva, eu insisto: você precisa acreditar plenamente no diagnóstico de TMS. Isso significa que você tem que aceitar o fato de que seus sintomas são induzidos emocionalmente. Se você ainda acredita que pode haver algo fisicamente ou estruturalmente “errado” com você, você ainda não está “curado”. Você não está prestando a devida atenção às emoções subjacentes, o que significa que os sintomas ainda podem funcionar como uma distração, e é provável que eles retornem. Também é importante retomar suas atividades normais. Se você ainda tem medo de se sentar em uma cadeira macia ou se inclinar para amarrar seus sapatos, você também não está “curado”.

Muitos podem eliminar seus sintomas simplesmente lendo um dos livros do Dr. Sarno – fato comprovado. Alguns apenas precisam de um pouco mais de ajuda. Se ler seu livro não “curar” você, verifique outras informações. Se possível, consulte um médico treinado para diagnosticar e tratar o TMS. Às vezes é necessário encontrar um psicoterapeuta. Como mencionei anteriormente, nem sempre é fácil fazer as emoções inconscientes tornarem-se conscientes. Mergulhar na mente inconsciente pode ser muito desconfortável. Algumas pessoas não estão bem preparadas para esta abordagem, o que é compreensível. Não se abata se não encontrar alívio imediatamente. E sobretudo, não jogue a toalha. Garanto que o método do Dr. Sarno funciona.

Veja outros posts relacionados...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *