O que causa a fibromialgia? O papel do cérebro

O que causa a fibromialgia? O papel do cérebro
image_pdfimage_print

Pacientes diagnosticadas com fibromialgia, especialmente mulheres, amiúde se queixam de que as outras pessoas, familiares, médicos e curiosos, acham que que tudo está em suas cabeças – uma forma de dizer que a doença é produto da imaginação. E claro, ficam ofendidas. Não deveriam porque, tomada literalmente, a insinuação está correta. Hoje há evidências de que a fibromialgia é, em parte ao menos, produto de neuro-inflamação, ou seja, inflamação do sistema nervoso central ao qual o cérebro pertence. Ou seja, ela está mesmo “na cabeça”. Este post comenta provas que a neurociência no momento oferece para sustentar essa possibilidade.

“Toda a imaginação – tudo o que pensamos, sentimos vem do cérebro humano. E uma vez que criamos novos padrões neste cérebro, uma vez que o moldamos de uma nova maneira, ele nunca mais retorna à sua forma original.”

Jay S. Walker

Dores e dores – por toda parte. Fadiga. Problemas de sono. Pensamento nebuloso. Juntos, esses sintomas geralmente se somam à fibromialgia.

“Ainda não entendemos totalmente o que causa a fibromialgia. Mas as varreduras cerebrais de pacientes com fibromialgia mostram essa neuroinflamação” ou inflamação no cérebro, diz o especialista em tratamento da dor Benjamin Abraham, MD . “Podemos ver que os nervos da dor estão inflamados e irritados.”

Procurando por dor nos lugares errados

A dor muscular é um dos principais sintomas da fibromialgia. Portanto, desde sempre cientistas e médicos procuraram evidências de inflamação nos músculos doloridos das pessoas com a doença, no intuito de diagnosticar a doença. Em parte, os critérios de diagnóstico hoje vigentes envolvem a apalpação de regiões do corpo, além de outras averiguações relacionadas a fadiga, problemas cognitivos…

Ao que parece, procuraram no lugar errado. O problema está nos sistemas de processamento da dor no cérebro.

Pessoas com diagnóstico de fibromialgia parecem ter um sistema de detecção de dor que está fora de sintonia. Eles têm uma reação maior do que o normal às sensações dolorosas. E muitas vezes sentem dor em resposta a sensações (como calor ou frio) que outras pessoas não consideram dolorosas. 

Neuroinflamação e alterações cerebrais

Que a fibromialgia não seria apenas uma questão de dor sensorial, foi uma suspeita não comprovada até a metade do século passado.

Avanços progressivos até hoje foram os seguintes:

  • Descoberta de associação a um aumento do sofrimento psicossocial e a distúrbios psiquiátricos, especialmente a depressão.
  • O trauma emocional também pode predizer o início da fibromialgia. Um estudo recente em Israel descobriu que 15% dos sobreviventes de um grande acidente de trem desenvolveram fibromialgia, além de uma série de outros sintomas psiquiátricos e físicos, 3 anos após o acidente.
  • Uma ligação entre abuso/trauma na infância e o desenvolvimento posterior de fibromialgia também foi sugerida.
  • A fibromialgia está altamente associada à má qualidade do sono e ao sono não revigorante. Mais de 75% dos indivíduos com fibromialgia relatam sono perturbado.
  • Por fim, a classificação da fibromialgia como uma Síndrome de Sensibilidade Central. Na sensibilização central, todo o sistema nervoso central fica sensibilizado a certos estímulos. A sensibilização central é considerada por muitos especialistas um mecanismo chave por trás da fibromialgia.

Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas

Os cientistas usaram exames de PET para estudar o cérebro de pessoas com diagnóstico de fibromialgia. Eles encontraram neuroinflamação generalizada em seus cérebros. Outros pesquisadores testaram o fluído espinhal de pessoas com fibromialgia e descobriram proteínas ligadas à neuroinflamação.

Uma característica da neuroinflamação é a ativação de células gliais, como microglia e astrócitos, na medula espinhal e no cérebro, levando à liberação de citocinas pró-inflamatórias e quimiocinas. O aumento sustentado de citocinas e quimiocinas no sistema nervoso central também promove dor crônica generalizada que afeta vários locais do corpo. Ergo, a neuroinflamação leva à fibromialgia por meio da sensibilização central.

Mas, não é apenas a neuroinflamação sozinha. Os cientistas descobriram que algumas regiões do cérebro são menores do que o esperado.

Também há evidências de diferenças nas conexões do cérebro. Normalmente, as áreas do cérebro envolvidas no processamento da dor – córtex somatossensorial primário e secundário, córtex insular, ACC, PFC e tálamo – estão em comunicação constante. Em pessoas com fibromialgia, pode haver pausas estranhas nessa conversa. “Se uma área tem problemas para se comunicar com outra, você pode processar sensações como frio, pressão ou exercícios como algo doloroso”, diz o Dr Abraham.

Enfim, às vezes é dito às pessoas com fibromialgia que tudo está em suas cabeças. A evidência inflamatória mostra que isso é meia verdade – a resposta pode estar no cérebro dos pacientes, mas não necessariamente em sua imaginação. Se a causa da fibromialgia – ou ao menos uma das suas causas mais importantes – for mesmo uma disfunção nos sistemas de processamento da dor no cérebro, a procura por novos protocolos de diagnóstico e novos tratamentos é inevitável e bem-vinda.

De fato, algumas pessoas com fibromialgia têm visto seus sintomas melhorarem depois de tomar medicamentos que têm como alvo a neuroinflamação, diz o Dr. Abraham.

Tomara.

Baseado no artigo “O que causa a fibromialgia?”, Health Essentials, Mayo Clinic.

Veja outros posts relacionados...

nenhum

3 comentários
  1. Me diagnosticaron fibromialgia en este año de Pandemia la verdad q si sufro mucho de dolores hay días q son insoportables q llego a pensar q no tengo ganas de seguir viviendo No duermo mucho hace años x mis trabajos pero en esta Pandemia estuve meses sin dormir solo dos o una hora x día Ni la medicación q me dan me calma el dolor y estoy muy cansada ya no sé q hacer

    1. Beatriz, como todo dolor crónico, la fibromialgia és influenciada por el estilo de vida de la persona, y también por las creencias que ella tiene sobre la enfermedad y sus consequencias para la vida. Si el paciente duerme mal y no tiene apego a la vida, eso ciertamente alimenta el dolor y la depresión (uno ataca el cuerpo, la outra ataca la mente). Cuanto a la medicación, hay por lo menos 3 remédios aprobados por la mayor autoridade sanitária dos Estados Unidos (clique em FDA approved 3 drugs for fibromyalgia… y sabrá cuáles son. Yo no puedo mencionarlos por razones legales). Em todo caso, esos remédios solamente alivian los dolores en el corto plazo. Trate de consultar un psicólogo o psiquiatra con experiencia em tratar pacientes com dolores crónicos y que conozca terapia cognitivo comportamental. No quiero absolutamente desmerecer la intensidade de sus dolores, pero creo que hoy dia su maior problema és emocional. Por lo que me disse, su mente no le permitirá cuidar del cuerpo. Comience por ahí, entonces.

    2. Averigua con alguien que haga biomagnetismo o bioenergética.. si es alguien que sepa método pums mejor todavía…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *