Para que serve o mindfulness?

Para que serve o <em>mindfulness</em>?
image_pdfimage_print

O sujeito que antes conseguia gerenciar períodos curtos de estresse – seja no trânsito, em reuniões no trabalho, discussões familiares etc., agora é obrigado a aturar relacionamentos interpessoais insuportáveis entre quatro paredes, seja com companheiro(a), filho(a)s, sogro(a)s, e até pets, por muito tempo. Por outro lado, há evidências de que uma exposição demorada e intensa como essa precipita o estresse crônico. Como sair dessa arapuca? Este post apresenta um vídeo, o segundo de uma série de quatro, que esclarece até que ponto aprender e praticar mindfulness pode ser uma saída viável, barata e eficaz.

“Se você quer vencer a ansiedade da vida, viva o momento, viva a respiração.”

– Amit Ray

Para que serve o mindfulness?

Eis o tema do segundo vídeo da série MINDFULNESS apresentada alguns dias atrás. E um dos serviços ali mencionados é o controle do estresse.

Nota do blog: se quiser mais informações sobre o estresse, clique aqui.

No momento atual, isso é crucial porque o estado de distanciamento social deflagrado pelo surto de Covid 19:

  • tem enorme potencial de estressar demais as pessoas;
  • nem todas as pessoas reagem igualmente a situações superestressantes; e
  • o estresse intenso, se vivenciado durante períodos longos, como de uma quarentena sem data para acabar, pode se tornar crônico.


O primeiro ponto, por evidente, dispensa comentários.

O segundo já merece atenção.

As pessoas que podem responder mais fortemente ao estresse de uma crise incluem:

  • Idosos e pessoas com doenças crônicas que apresentam maior risco de doenças graves pelo Covid 19
  • Crianças e adolescentes
  • Pessoas que estão ajudando na resposta ao Covid 19, como médicos, outros profissionais de saúde e socorristas
  • Pessoas com problemas de saúde mental, incluindo problemas com o uso de substâncias – como é o caso de boa parte dos portadores de doenças crônicas.

O terceiro ponto foi matéria de um post no passado. Em síntese, o sujeito que antes conseguia gerenciar períodos curtos de estresse – seja no trânsito, em reuniões no trabalho, discussões familiares etc., agora é obrigado a aturar relacionamentos interpessoais insuportáveis entre quatro paredes, seja com companheiro(a), filho(a)s, sogro(a)s, e até pets, por muito tempo. Por outro lado, há evidências de que uma exposição demorada e intensa como essa precipita o estresse crônico. E ocorre que o estresse crônico, além de não ter hora para acabar, pode turbinar distúrbios psiquiátricos e alguns distúrbios físicos, como doenças cardiovasculares, pressão alta e diabetes… bem como também reduzir a resistência a infecções e inflamações e até causar o ataque do sistema imunológico. Quase nada, como vemos.

Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas

O SUICÍDIO DE SÊNECA

“Se você realmente quer escapar das coisas que o assediam, o que você precisa não é estar em um lugar diferente, mas ser uma pessoa diferente.”

Lucius Annaeus Seneca, “Cartas de um estoico”.

Como combater o estresse decorrente do isolamento?

As opções são muitas. Elas vão de uma overdose de Netflix a cantar ópera na sacada. As mais eficientes, todavia, parecem ser aquelas harmonizando mente e corpo. Num extremo, nós temos as que usam mais o corpo, como ioga e tai chi – embora o tai chi apresente alguns riscos de movimentação no apartamento paulistano típico. No outro extremo, estão as alternativas que privilegiam a mente, as meditativas – que também são várias. Você pode escolher não pensar em nada (meditação transcendental), consertar pensamentos defeituosos (reestruturação cognitiva) e, claro, mindfulness. E para que serve este último?

Assista este vídeo e ficará sabendo.

Veja outros posts relacionados...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *