Quer aliviar a dor crônica? Leia isso!

Quer aliviar a dor crônica? Leia isso!

Conheça o lado comovente de quem venceu a luta contra a dor crônica e conseguiu recuperar qualidade de vida.

Se não posso regular os acontecimentos, regulo a mim mesmo.

Michel de Montaigne
Dois dias atrás tomei conhecimento de uma história comovente. A de Luciana Moliterno, empresária, que passou anos sofrendo absurdamente de dor crônica, e no entanto, conseguiu alívio.

Como eu também sou um veterano nessas lides – embora a minha seja muitas vezes menos contundente que a de Luciana – inevitavelmente acabei comparando os nossos dois “causos”. Penso que temos quatro pontos em comum que podem inspirar outras pessoas com dor crônica.

  1. Sofremos bastante e por um bom tempo (ela anos, eu, décadas) … e saímos do buraco.
  2. Após um incidente crucial – Luciana “demitiu” o médico que queria interná-la “se não melhorasse em uma semana”; eu falhei em colocar uma sacola de supermercado no bagageiro do carro – decidimos assumir, nós mesmos, o nosso próprio problema. E agimos em consequência.
  3. Contamos com um único apoio, “estratégico”, fundamental: ela, com uma profissional especializada em dor e uma equipe multidisciplinar por trás dela; eu, com um livro sobre dor, e depois outro, e mais outro… todos sobre dor. (Livros, sim, você leu direito.) E assim ambos acabamos por conhecer e compreender o que estava acontecendo conosco, e isso teve um efeito terapêutico.
  4. Tivemos a possibilidade de mudar hábitos de vida. Você não se alivia de uma dor crônica apenas lendo livros, eu sei. É preciso mudar sua rotina, sua estrutura de trabalho e lazer, tentar novos movimentos e até (no meu caso, ao menos) novas visões do que somos. Tem gente que, por um motivo ou outro carece dessa chance.

Bem, eu paro por aqui. Se você tem dor crônica, essa dor persistente de origem incerta e futuro assustador, reveja os quatro pontos acima. Reveja-os à luz de sua situação. E reveja-os mais uma vez. E após deitar, à noite, reveja-os de novo. E assim, quem sabe, você sai dessa também.

Veja outros posts relacionados...

nenhum

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *