Terapias mente-corpo para as seis dores crônicas mais prevalentes. Post 2: Cefaleia

Terapias mente-corpo para as seis dores crônicas mais prevalentes. Post 2: Cefaleia
image_pdfimage_print

A cefaleia é uma doença crônica, não apenas uma dor de cabeça circunstancial. Assim sendo, ela dificilmente pode ser curada em definitivo, e nem aliviada permanentemente com ajuda de drogas. Isso faz com que a atenção se volte para seis terapias integrativas: tai chi, qi gong, ioga, acupuntura, atenção plena e biofeedback. No post de hoje, o foco é a Dor de Cabeça.

Nota do blog: Embora o cérebro não tenha nociceptores, existem nociceptores em camadas de tecido conhecidas como dura-máter e pia, que servem como escudo protetor entre o cérebro e o crânio. Em algumas situações, produtos químicos liberados dos vasos sanguíneos próximos à dura-máter e pia podem ativar os nociceptores, resultando em dores de cabeça, como enxaquecas. O aumento do fluxo sanguíneo também pode desencadear uma enxaqueca, motivo pelo qual ela ainda é considerada uma dor de cabeça vascular (e não uma doença crônica, como efetivamente ela é). A enxaqueca costuma ser latejante e acompanhada de hipersensibilidade à luz, som e toque.

A pesquisa da neurociência moderna mostra que o cérebro desempenha um papel importante na dor crônica. Tai chi, qi gong, ioga, acupuntura, atenção plena e biofeedback são recursos terapêuticos baseados nesse conceito, que começam a apresentar resultados mensuráveis. Eles oferecem ao praticante a (rara) chance de atingir a conexão mente-corpo, seja para simplesmente se sentir melhor fisicamente e mentalmente, ou para expandir o autocontrole e autoconsciência. Em ambos os casos, o alívio da dor crônica pode ser obtido.

Esse post reproduz uma publicação do NCCIH Clinical Digest, um boletim eletrônico mensal do National Institutes of Health americano, que oferece informações baseadas em evidências cientificamente coletadas sobre essas terapias integrativas.

As contribuições de cada uma são examinadas em relação às seis dores crônicas mais prevalentes na população mundial – fibromialgia, dor de cabeça, dor lombar, dor no pescoço, osteoartrite e artrite reumatoide – e serão apresentadas em uma série de 6 posts. No final de cada um, o blog anexa um vídeo descritivo de curta duração.

Cefaleia e Dor de cabeça

Resultados de pesquisas sobre práticas mentais e corporais, como treinamento de relaxamento, biofeedback, acupuntura e manipulação da coluna para dores de cabeça, sugerem que essas abordagens podem ajudar a aliviar dores de cabeça e podem ser úteis para enxaquecas.

O que a pesquisa mostra?

  • Uma revisão de 2017 baseada em cinco metanálises, sete revisões sistemáticas e 34 ensaios clínicos randomizados sobre abordagens de saúde complementares e integrativas para dor de cabeça concluiu que a acupuntura, massagem, ioga, biofeedback e meditação têm um efeito positivo na enxaqueca e dores de cabeça tensionais. A revisão também concluiu que a manipulação da coluna vertebral, quiropraxia e hidroterapia também podem ser benéficos para enxaquecas.
  • Meditação / Hipnoterapia / Relaxamento. Um estudo europeu de 2019 realizado em 131 crianças (9 a 18 anos de idade) com cefaleias primárias investigou a eficácia da meditação transcendental ou hipnoterapia, e comparou-as com exercícios de relaxamento muscular progressivo (grupo de controle ativo). O estudo encontrou redução clinicamente relevante da cefaleia (≥ 50%) em 41% e 47% das crianças aos 3 e 9 meses, respectivamente, sem diferenças significativas entre os grupos.
  • Biofeedback. A eficácia do biofeedback foi avaliada em vários estudos para dores de cabeça tensionais, com resultados positivos. No entanto, uma revisão sistemática de 2009 de 11 ensaios clínicos randomizados concluiu que há evidências conflitantes sobre a eficácia do biofeedback em comparação com o placebo para drogas profiláticas ou qualquer outro tratamento. Vários estudos mostraram que o biofeedback diminuiu a frequência das enxaquecas. Uma meta-análise de 2007 de 55 estudos encontrou um efeito modesto para intervenções de biofeedback e foi visto com duração de uma fase média de acompanhamento de 17 meses. No entanto, uma revisão de 2008 concluiu que o biofeedback tem efeitos clínicos benéficos para a enxaqueca, mas se esses efeitos são específicos ou inespecíficos ainda não está claro. Uma meta-análise de 2016 de cinco estudos envolvendo um total de 137 participantes pediátricos concluiu que o biofeedback parece ser uma intervenção eficaz para enxaqueca pediátrica, mas mais pesquisas são necessárias para aumentar a confiança dos revisores na estimativa.
  • Técnicas de relaxamento. Uma revisão de 2017 descobriu que a terapia cognitivo-comportamental, biofeedback e técnicas de relaxamento estão associados a melhorias significativas nos sintomas da enxaqueca crônica. Há evidências limitadas para apoiar a eficácia das técnicas de relaxamento para dores de cabeça do tipo tensional. Uma revisão sistemática de 2009 de oito estudos comparando o treinamento de relaxamento com as condições da lista de espera encontrou resultados inconsistentes. Os autores da revisão concluíram que não há indicação, com base nas evidências atuais, de que o treinamento de relaxamento seja melhor do que nenhum tratamento ou um placebo. Uma meta-análise de 2008 de 53 estudos sugere que o treinamento de relaxamento é menos eficaz do que o biofeedback. As diretrizes do US Headache Consortium para o manejo de enxaquecas incluem recomendações de tratamento físico e comportamental com base em evidências de 39 estudos controlados. As diretrizes indicam que o treinamento de relaxamento, biofeedback térmico combinado com treinamento de relaxamento, biofeedback EMG e terapia cognitivo-comportamental podem ser considerados como opções de tratamento para prevenção da enxaqueca e combinados com terapia medicamentosa preventiva para alcançar melhora clínica adicional para o alívio da enxaqueca.
  • Tai chi. Os dados são muito limitados para tirar conclusões significativas sobre se o tai chi é eficaz para dores de cabeça do tipo tensional. Um pequeno ensaio clínico (n = 47) sugeriu que um programa de tai chi de 15 semanas foi eficaz na redução do impacto das dores de cabeça do tipo tensional quando comparado a um grupo de controle em lista de espera.
  • Acupuntura. Os resultados combinados de estudos que avaliam a eficácia da acupuntura para dores de cabeça indicam que a acupuntura pode fornecer efeitos clínicos benéficos, mas se esses efeitos do tratamento com acupuntura são específicos ou inespecíficos não foi determinado e está sob investigação ativa. Uma meta-análise de dados de pacientes individuais de 2012 concluiu que a acupuntura pode ser uma opção de encaminhamento razoável para condições de dor crônica, incluindo dor de cabeça.
  • Massoterapia. Evidências limitadas de dois pequenos estudos sugerem que a massagem terapêutica é possivelmente útil para enxaquecas, mas não é possível tirar conclusões claras. Uma revisão sistemática de 2011 desses dois estudos concluiu que a massagem terapêutica pode ser tão eficaz quanto o propranolol e o topiramato no tratamento profilático da enxaqueca.
  • Manipulação espinhal. Os resultados de várias revisões sistemáticas sobre a manipulação da coluna vertebral para dores de cabeça são contraditórios. Uma revisão de 2011 concluiu que revisões sistemáticas de maior qualidade são necessárias antes que o benefício da manipulação espinhal para dores de cabeça possa ser definido.

Segurança

  • O tai chi é uma prática relativamente segura; no entanto, alguns pacientes com dor aguda nas costas, problemas nos joelhos, fraturas ósseas, entorses e osteoporose podem precisar modificar ou evitar certas posturas de tai chi.
  • Os efeitos colaterais da manipulação da coluna podem incluir dores de cabeça temporárias, cansaço ou desconforto nas partes do corpo que foram tratadas. Um tipo de manipulação da coluna que se concentra no pescoço tem sido associada a dissecções da artéria cervical (DAC). Essas lacerações são raras, mas podem causar um derrame. Qualquer tipo de movimento repentino do pescoço, como praticar esportes, receber uma chicotada e vômitos violentos ou tosse também pode aumentar o risco de lesão tecidual. As evidências disponíveis sugerem que a incidência de DAC em pessoas que recebem manipulação da coluna é baixa, mas os pacientes precisam ser informados sobre esse risco potencial.

Assista abaixo um dos vídeos da nossa seção de DORES FREQUENTES. São 75 vídeos que esperam pela sua consulta:

Cefaleia tensional

Não perca os próximos posts abordando as outras dores crônicas: dor lombar, dor no pescoço, osteoartrite e artrite reumatoide. E leia o que já foi publicado recentemente: Fibromialgia.

Tradução livre de Mind and Body Approaches for Chronic Pain: What the Science Says”, publicado em Setembro 2019.

Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas

Veja outros posts relacionados...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *