Terapias para o Alívio da Dor & Outros

Terapias para o Alívio da Dor & Outros

Mãe, por que dói minha barriga?
O objetivo deste blog é um só: educar gente em dor. Ora, criança também é gente. E gente que precisa aprender sobre dor o antes possível para assim não ter que perambular de médico em médico e de farmácia em farmácia na vida adulta. A dor de barriga é um bom exemplo didático para a criança aprender como a dor é originada e processada pelo organismo e como preveni-la. O post encaminha o visitante a um vídeo de apenas 2 minutos, made-by-mim-mesmo, que um pai pode usar para educar em dor seus filhos, ou uma professora seus alunos. A dor de barriga é um pretexto.
O burnout das médicas
O presente post está baseado na última seção de um dos 24 capítulos do ebook “O Paradoxo de EVA”, que o blog irá publicar em breve. Esse capítulo em particular, trata do (escasso) peso relativo do “feminino” na indústria da saúde, notoriamente inferior ao dos homens. Este post, especificamente, comenta a taxa de burnout feminino (superior à masculina) entre as médicas em países desenvolvidos. Ela é preocupante. No Brasil poderia ser melhor?
Bom dia, flor do dia!
Num país de 215 milhões de habitantes é necessário recorrer a todos os meios de comunicação possíveis para disseminar conhecimento sobre a dor e seu gerenciamento entre a população com dor. O podcast pode ser infinitamente mais eficaz do que palestras e congressos, nesse sentido.
Humor para dor crônica: o que propomos
A cada mês por 4 meses, um novo ebook contendo mais de 30 cartuns estará acessível no blog. Todos eles são relacionados à vivência de pacientes com dor crônica em contato com o sistema de saúde que supostamente cuida dele(a)s (ex.: atendimento médico, exames de imagem, comportamento dos pacientes etc.). Todos visam educar as pessoas em dor. Humor e dor crônica? Veja as minhas razões aqui.
Cannabis e dor crônica: entrou, não sai mais.
Até pouco tempo atrás escrever sobre o cannabis não era sequer legal. Depois ficou apenas nisso de não ser politicamente correto. No presente, parece ter conquistado um espaço legítimo no campo do conhecimento da dor. Começa, por exemplo, a despontar como uma indústria analgésica cientificamente certificada, apoiada que está em inúmeros trabalhos publicados na The Lancet (a revista científica mais afamada do mundo) e revisões sistemáticas da Cohrane (a catedral da Medicina Baseada em Evidências). Ler este post é uma boa maneira de começar a prestar atenção.
Ao nosso seguidor, com carinho
Qual pode ser a estratégia de um mísero blog destinado a promover a educação em dor no Brasil? Munir-se de informações sérias sobre o tema, traduzi-las até onde possível a uma linguagem que pessoas normais entendam e divulgá-las pela internet. Nessa semana, cinco objetivos traçados segundo a linha anterior serão atingidos.